As mídias sociais afetaram a natureza do conteúdo online? (3ª. da série)

Respostas à terceira questão formulada pelo site Who’s blogging what e pela Hubspot. Se quiser repassá-las, confirme aqui.

Conteúdo baseado em soluções, por Maddie Grant

“Os profissionais de marketing deveriam parar de fazer marketing e começar a se conectar. COMEÇAR A RESOLVER PROBLEMAS. COMEÇAR A CONSTRUIR RELACIONAMENTOS. A teia social capacita isso muito, muito facilmente. Eu também penso que as empresas têm cada vez mais responsabilidade social. Se elas puderem ajudar a melhorar as comunidades (online and offline) em torno delas, o dinheiro seguirá a trilha…”

Empenhe-se por excelência, por Joe Pulizzi

“Sim… o conteúdo que você cria, CADA PEÇA DO SEU CONTEÚDO, DEVERIA SER EXCELENTE O SUFICIENTE PARA QUE SEUS CONSUMIDORES SE SINTAM COMPELIDOS A COMPARTILHÁ-LO. Com a Panda e quatro (talvez cinco) grandes redes sociais, o melhor conteúdo subirá para o topo. Isso significa que a velocidade não é tão importante quanto um conteúdo realmente impactante. O que fazer? Comece contratando jornalistas.”

Foco no valor, por Susan Payton

“Mídias sociais – juntamente com o Google Panda – melhoraram o conteúdo no ano passado. NA MEDIDA EM QUE VOCÊ SE CONCENTRE EM CRIAR CONTEÚDO QUE É VALIOSO PARA OS LEITORES, É FÁCIL FAZER AS COMPRAS ENTRAREM.”

O conteúdo deve ser compartilhável, por Michael Lazerow

“Afetaram completamente a natureza do conteúdo online. O CONTEÚDO PRECISA NAO APENAS SER INTERESSANTE, MAS TAMBÉM ENVOLVENTE E COMPARTILHÁVEL. O conteúdo está evoluindo constantemente, por isso as marcas precisam fazer a curva na frente da melhor maneira que possam. Antes de publicaar alguma coisa, pense consigo mesmo: isso é algo que eu compartilharia com minha rede social? É algo com o que minha audiência se identificaria? Mídias sociais são relativas a identidade, em oposição à busca, que é uma utilidade.”

Cross-channel, por Linda Bustos

“Nos últimos cinco anos, o marketing via mídias sociais, para muitas organizações, foi relegado a segundo plano porque era novo ou porque sua efetividade era difícil de medir. Era visto como ‘branding’, com os retornos vindo ‘de algum lugar’. Havia pouca prestação de contas. Hoje, as contas de mídias sociais prestam-se a mais do que apenas branding ou gerenciamento de reputação, são canais de marketing reais e deve-se investir nelas tanto quanto em links patrocinados, email, publicidade online ou campanhas de afiliação. AS MÍDIAS SOCIAIS SÃO ATUALMENTE UMA PARTE IMPORTANTE DE UMA ESTRATÉGIA DE CONSTRUÇÃO DE LINKS E RP. E MUITAS VEZES TRABALHAM EM PARALELO OU SUBSTITUEM O EMAIL. Não há desculpas para não medir o impacto agora que temos recursos de atribuição multitoque no Google Analytics e em outras ferramentas.”

Cheque os fatos do seu conteúdo, por Cameron Chapman

“A maneira como o conteúdo é distribuído agora é tanto fantástico para quem está publicando como desastroso para o público em geral. Todo dia eu cruzo com conteúdo lotado de erros, intencionais ou acidentais, que são passados à frente como se fossem evangelhos. OS CRIADORES DE CONTEÚDO PRECISAM ASSUMIR A VERIFICAÇÃO DE TUDO O QUE PÕEM PARA FORA. Em muitos casos, não se percebe, mas quando ocorre, destrói sua credibilidade. Eu odeio ver um infográfico ou qualquer conteúdo que obviamente envolveu muito tempo tornar-se inútil porque alguém não checou os fatos.”

Abrace o conteúdo visual, por Dave Kerpen

“As mídias sociais afetaram completamente a natureza do conteúdo online! Marcas e profissionais deveriam criar todo o conteúdo web em formatos facilmente digeríveis e compartilháveis, alavancando o poder distributivo de ferramentas como Facebook, Twitter e Stumbleupon. ESTÁ CLARO QUE FOTOS E INFOGRÁFICOS SÃO MUITO MAIS POPULARES DO QUE APENAS TEXTOS NAS REDES SOCIAIS E, PORTANTO, OS PROFISSIONAIS DEVERIAM CRIAR E COMPARTILHAR ESSES CONTEÚDOS.”

Reempacote o conteúdo, por Sarah Worsham

“A janela de atenção online diminui. As pessoas estão consumindo conteúdo em seus celulares com telas pequenas e larguras limitadas de banda, o que significa que querem conteúdo em pequenos bocados. No entanto, como a maneira das pessoas consumirem conteúdo varia um tanto durante o curso do dia, depende do que você está tentando fazer e que aparelhos eles estão usando. ESSAS MUDANÇAS REALMENTE EXIGEM QUE AS MARCAS E OS PROFISSIONAIS PREPAREM O MESMO CONTEÚDO EM VÁRIOS DIFERENTES FORMATOS E CANAIS – para móbile, para mídias sociais, para o website, talvez até para um vídeo, etc. Em vez de produzir apenas uma peça de conteúdo, temos atualmente que olhar como reusá-lo e reempacotá-lo para torná-lo valioso.”