Como a Sephora cria uma experiência perfeita para o cliente

Sephora
45% dos consumidores esperam que as marcas ofereçam produtos e experiências personalizadas — a marca de beleza faz isso de 5 formas
Compras de produtos de maquiagem e skincare é uma experiência altamente pessoal. Usando o conceito de que “a beleza é sua para definir e a nossa para celebrar”, a Sephora oferece aos clientes uma série de ferramentas personalizadas. Durante a NRFtech, o Chief Engineering Officer da marca, Raghu Sagi, explicou o conceito. “Cada cliente tem uma perspectiva única e uma visão pessoal de sua beleza”, disse ele. “Devemos ser capazes de fornecer a ele ferramentas personalizadas em todos os canais. Esse é o nosso objetivo: ser capaz de melhorar sua experiência e encontrar um ajuste perfeito para suas necessidades. ” Tudo começa com o que o cliente quer. Sagi disse que 45% dos consumidores esperam que as marcas ofereçam produtos e experiências personalizadas. O celular está impulsionando um novo comportamento: os clientes estão constantemente mudando entre a vida real e online e esperam uma experiência unificada, perfeita e fácil. Os varejistas “têm uma oportunidade incrível”, disse ele, “e também uma granderesponsabilidade: fazê-los experimentar algo memorável quando entrarem em sua loja”. As experiências são mais poderosas, disse Sagi, quando passam entre os canais sem problemas; ele compartilhou cinco maneiras pelas quais a Sephora se diferencia por meio de uma experiência omnichannel personalizada: Try-on virtual — com o Visual Artist, os clientes testam com seus dispositivos móveis e também na web produtos de várias categorias; Conectando-se com a comunidade — a Beauty Insider Community, lançada no ano passado, é uma plataforma digital onde os amantes da beleza podem se conectar, encontrar inspiração, fazer perguntas e receber recomendações; Conectando perfis digitais com as lojas — o aplicativo móvel da Sephora se transforma na ferramenta Store Companion, ganhando vida à medida que os usuários abordam uma loja e fornecem informações como recomendações de produtos, itens que os usuários navegaram anteriormente e seu perfil de beleza; Conectando a experiência da loja ao digital — o Digital Skincare e o Makeover Guides permitem que os funcionários da loja capturem produtos usados ou recomendados durante um serviço e os enviem aos clientes para referência futura, junto com vídeos e imagens de antes e depois; consultoria ativada por voz — com o Sephora Skincare Advisor no Google Home os clientes podem agendar consultas nas lojas Sephora, ouvir podcasts sobre notícias de beleza e fazer testes de beleza por meio do aplicativo. Fonte:NRF
 
A computação vestível pode ser o futuro da produtividade empresarial
A tecnologia está matando os empregos? Pode ser que ocorra exatamente o contrário.  De acordo com um novo estudo da Deloitte, os empregos de muitos trabalhadores serão mantidos “vivos” como resultado da próxima geração de “wearables”. O valor da computação vestiível agora está se expandindo rapidamente para o local de trabalho, ajudando as pessoas a trabalhar mais e mais rápido e evitando lesões. Empresas como Ford, Lowe e Audi já estão usando exoesqueletos — ternos biônicos ou extensões de membros humanos — para ajudar as pessoas a levantar e alcançar objetos. A GE Aviation apresentou óculos inteligentes para suas operações. Os trabalhadores podem obter orientação instantânea, em vez de precisar verificar manuais. Pulseiras inteligentes estão sendo usadas pelos funcionários da Autoridade de Trânsito Regional de Dayton para monitoramento da saúde. A indústria de viagens também está se tornando robótica, com a Air New Zealand introduzindo a computação vestível para fornecer traduções instantâneas, melhorando assim o serviço ao cliente. O atendimento ao cliente em qualquer setor é uma área óbvia onde os seres humanos auxiliados por robôs podem prevalecer. Ser capaz de “ver” e “diagnosticar” problemas no local economizará tempo e dinheiro. De acordo com a Capterra, 54% das pequenas empresas estarão adaptando essas novas tecnologias dentro de um ou dois anos. A Small Biz Trends cita que esse movimento será liderado pelos millennials, com 71% das pessoas pesquisadas relatando que usariam tecnologia para manter os funcionários seguros. Fonte: INC.