Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Confusão digital!

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Quem me conhece sabe que sou adepto da tecnologia.  

Pessoalmente sou “early adopter” em todo o tipo de recurso que pode facilitar minha vida. 
Profissionalmente defendo a tecnologia e automação de processos como a única forma de melhorar as atividades empresariais, trazendo eficácia e eficiência. Não se pode, contudo, perder o foco de quem esta tecnologia irá atender. 
Se estamos falando de atendimento ao cliente, a tecnologia não pode, jamais, deixa-lo em segundo plano. Se assim for, perderá todo o sentido. Não existe eficácia ou eficiência que justifica piorar o atendimento ao cliente.  Não existe digital sem o humano. Infelizmente não é o que pensam alguns gestores e executivos de um dos mais importantes bancos do país. 
Até definiram um conceito e uma palavra nova para dizer que são digitais. Entretanto, em procedimentos simples, parecem ter esquecido um personagem que face a toda tecnologia e todo o ego, perdeu totalmente a importância dentro do  processo do banco: o correntista.
Hoje pela manhã, por uma combinação sinistra, o novo aplicativo para empresas do banco me achou culpado de alguma coisa e bloqueou minha senha a qual, segundo informação escrita no site do banco poderia ser desbloqueada pela gerente, na minha agência. Ingenuamente fui a agência e logo na entrada fui tratado como se tivesse cometido um pecado capital: “o senhor não usa cartão de débito?”
Não uso porque não preciso. É uma conta empresa que uso para pagar contas, não sacar dinheiro, para que iria gastar tarifa com cartão de débito sem utilidade. Pois é. foi aí que eu percebi que a transformação digital no pior sentido da expressão havia chegado a agência. Ninguém sabe nada! A única coisa que diziam é: “o senhor precisa de um cartão de débito para redefinir sua senha”. De nada adiantava eu mostrar a impressão da tela  com as instruções para procurar o gerente. Sem token eletrônico, sem cartão de débito, nada feito. Não porque não possa ser feito. Eles simplesmente não sabem como.
De tão digital que o banco ficou, as pessoas não funcionam mais. O correntista não serve para nada sem um token ou sem um cartão. O gerente não sabe fazer uma coisa que a instrução do banco diz que ele deveria fazer.  Isso não é transformação digital. É incompetência. Esquecer as pessoas invalida completamente a tal da transformação digital, transformando-a em um amontoado de procedimentos que não fazem o menor sentido.  Resolver a questão das pessoas precisa estar em primeiro lugar. É para isso que a tecnologia foi criada. Não para criar problemas resolvendo-se a si mesma! Isto é confusão digital e não transformação digital

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima