Contradição Humana: Como é não saber de nada?

0
2

Imagine que você é o presidente de uma organização. Na sua organização,
alguns funcionários contratados por você estão desviando recursos de obras
superfaturadas e outras falcatruas do gênero. Eles criaram uma rede interna em
que um acaba protegendo o outro para que o esquema de roubo não apareça. Você
vê os contratos que sua organização tem com o mercado ficando cada vez mais
caros com menor rentabilidade.  Mas como
foi você quem contratou esses funcionários, segue achando que os custos
aumentaram e que as despesas operacionais é que cresceram. E assim você vai
levando a vida sem saber de nada o que está acontecendo, com um agrave
monstruoso:  sua organização está prestes
a quebrar.

Você conversa com alguns amigos e percebe que eles têm organizações
parecidas com a sua e estão com a rentabilidade como planejada. Você duvida dos
seus amigos que te falam que há algo muito grave na sua organização. Eles até
falam que devem estar desviando recursos, mas você afirma categoricamente que é
impossível isso acontecer, pois sua equipe é de confiança.

Assim o tempo passa e um dia a fiscalização bate a sua porta
e verifica que você é um grande devedor de impostos, pois deixou de pagá-los há
muito tempo. Você não acredita no que o fiscal fala e, indignado, chama o
responsável que, num gesto de desespero, confessa o golpe.

Em choque, você fala “como
isso aconteceu por tanto tempo nas minhas barbas? Como não eu sabia de nada?”

Os próprios fiscais não acreditam em você e entendem que foi
você quem estava desviando os recursos. Pedem a interdição de sua organização.

Aí você se lembra de alguns fatos: o gerente de compras com
carro novo importado a cada ano… O gerente financeiro com casa de campo e
casa na praia… O gerente comercial viajando para o estrangeiro com toda a
família a cada ano… O gerente jurídico que disse que era bobagem e
desperdício de recursos contratar uma auditoria… E assim por diante…

Todas as vezes que você viu os fatos acima, pensou: Puxa vida, eu nem pago um salário tão bom
assim e está todo mundo bem de vida
. Acho
que o pessoal está economizando bastante. Quem bom! Essa “cultura de
economizar” é boa para organização e para todos.

VOCÊ ACREDITA QUE É POSSÍVEL TUDO ISSO ACONTECER?

No mundo das organizações (públicas e privadas), são raros
os incautos. A probabilidade de essa estória acontecer por um longo tempo é
remota. Fatos como esses acontecem em um período curto de tempo. Dias, meses e
não anos. Todos sempre são descobertos e rapidamente punidos. O presidente de
uma Organização, só chega e se mantém no cargo por um longo período de tempo se
for uma pessoa antenada e que sabe
perceber os problemas que afetam sua rentabilidade. Não há hipótese de não
perceber falcatruas endêmicas. Não há hipótese de dizer: Eu não sabia de nada!

A curiosidade faz parte da natureza humana e é a partir dela
que evoluímos. Sempre estamos dispostos a saber das coisas que acontecem em
nosso entorno. Temos esta pré-disposição inata. Somos curiosos desde a tenra idade.
O famoso e insistente “por que” das crianças mostra isso com clareza
e obviedade. Já o “não querer saber” é uma corruptela da natureza utilizada
apenas por conveniência, com objetivos claros de se afastar dos fatos, por
vezes para não querer participar. Alegar ignorância nesses casos é um ato de má
fé e não de ausência de conhecimento.

Estamos vivendo um momento crucial em nosso país relacionado
aos fatos acima. Na teia da corrupção, a princípio, só existem incautos.
Incautos profissionais que na verdade são pessoas do mal agindo em nome de um
pseudo bem. Sem sombra de dúvida, e até pelos motivos da natureza humana que
descrevi essas pessoas na verdade sabem de tudo. Podem não ter participado, mas
em nenhum momento ignora os fatos. Preferem seguir por atalhos justificando sua
pseudo ignorância.

Triste o ser humano que abre mão de sua autonomia cognitiva
para assumir a personagem de um inepto. Que tipo de legado deixará esse
elemento? Sinto-me envergonhado e constrangido de viver no mesmo tempo e espaço
desses coadjuvantes infelizes. A contradição humana é apenas fruto da
incoerência e inconsistência das nossas ações e atitudes com o outro. É a
resposta da pergunta: Quem é você realmente quando ninguém está olhando?