Email marketing: quatro previsões para 2010



O último Email Insider trouxe um artigo muito interessante, escrito por Chad White, Research Director da Smith-Harmon. Ele arriscou prever quatro coisas que ocorrerão no email marketing em 2010.


 



  1. Campanhas de reativação vão se tornar mais importantes. Segundo Chad, os provedores estão dando mais peso a métricas de envolvimento para determinar se uma mensagem vai para a caixa d entrada ou para o lixo eletrônico – e até mesmo se o email deve ser bloqueado. Quem tem 50% ou mais de clientes inativos terá que desenhar estratégias para diminuir esse nível. Começando com a definição do que “inativo” significa para cada empresa, progredindo para táticas de segmentação e, possivelmente, culminando com campanhas que darão a possibilidade do cliente inativo voltar a ser ativo ou optar por sair da lista. Comentário: no Brasil, isso também deverá ser uma tendência, na esteira do código de regulamentação do email marketing que entrará em vigor por volta de março de 2010.

  2. Serão lançados mais Preference Centers. Os consumidores estão exigindo ter mais controle sobre as mensagens que os atingem e estão reagindo duramente quando elas não são relevantes. Preference Centers são uma ferramenta chave nessa luta por mais relevância. Principalmente, porque até agora email marketing funcionava, do ponto de vista do consumidor, como uma caixa preta tanto em termos de conteúdo como de freqüência. E isso criou uma grande falta de confiança. O resultado é que a maior parte dos emails promocionais, mesmo quando o consumidor é cliente da empresa, vai parar em caixas de entrada secundárias.

  3. Processos de opt-out vão se tornar mais amigáveis e mais efetivos na retenção. Comentário: aqui no Brasil, os processos de cancelamento de assinaturas também terão que evoluir para atender o novo código.

  4. Landing pages ajudarão mais nas conversões. Comentário: é impressionante como, mesmo lá nos EUA, com alguns anos a mais de experiência no assunto, em relação aos nós brazucas, ainda se envia email que cai em uma home ou outra página genérica, obrigando o consumidor a garimpar para encontrar o produto ou a oferta anunciada no email. Quem fizer um bom trabalho no mapeamento de imagens e na linkagem para as landing pages vai obter muito mais resultado. Aliás, já está obtendo hoje.

 


Fonte: Email Insider