Feiras virtuais são nova tendência do mercado

A matéria abaixo saiu na Pequenas Empresas Grandes Negócios. Eu sou um entusiasta da ferramenta Expobusiness e estou à disposição para mostrar com mais detalhes as suas vantagens:


Empresas investem em feiras on-line para atrair clientes de regiões diversas

Economia de tempo e de dinheiro é apontada como principal vantagem da ferramenta

Por Juliana Bacci

Expor produtos e serviços
em uma feira de negócios exige planejamento, tempo e dinheiro. Neste
contexto, cresce o número de empresas que adquirem espaços em feiras
on-line, a fim de interagir com seus mercados-alvo. Há também as que
optam pelo novo modelo como forma de prolongar o contato com potenciais
clientes após o término de uma feira física.

Editora Globo

Pavilhão de entrada das feiras virtuais promovidas pela Integra Global. (Foto: Reprodução)

A
ferramenta, desenvolvida pela Integra Global, está disponível no Brasil
há cerca de um ano e já promoveu dez feiras virtuais. Para adquirir um
espaço em uma feira on-line, as empresas interessadas devem fechar um
contrato mínimo de três meses com a Integra. O preço dos estandes varia
de R$ 500 a R$ 2 mil por mês, dependendo do tamanho e das ferramentas
disponíveis no espaço. Alterar cores de pisos e paredes, bate-papo, além
do upload de fotos e vídeos são algumas das facilidades promovidas pelo
software, que já está em sua terceira versão. “Nossos espaços funcionam
como pecinhas de Lego”, explica Aquiles Gonzales, diretor da Integra,
referindo-se à montagem flexível dos estandes.

Mas não é apenas na montagem que as feiras virtuais apresentam vantagens
em relação ao modelo tradicional de negócios. Renato Autilio, diretor
de marketing da Salvapé, distribuidora de balanças, termômetros e
medidores de pressão da Microlife no Brasil, aponta a comodidade como
fator determinante no sucesso da ferramenta. “Meu produto é voltado para
gestantes, mas não preciso obrigar a futura mamãe a andar durante horas
para visitar meu estande e conhecer outros pavilhões”, ressalta
Autilio, que tem um estande na feira virtual Expobaby. A economia com a
equipe de vendas também é destacada pelo diretor como vantagem: “A feira
on-line é uma forma inteligente de apresentar meu produto. Gasto, em
média, R$ 30 para chegar ao meu cliente enquanto que a prospecção de um
vendedor gira em torno de R$ 150”, avalia.


Eline Lee, gerente de marketing da MAM, que produz artigos para bebês
como chupetas e mamadeiras, também expositora na Expobaby, destaca a
redução de custos com deslocamento, tanto da equipe da empresa quanto
dos clientes, como facilidade para o negócio. “Apesar de reduzir o
contato pessoal, a ferramenta on-line amplia o acesso dos compradores
aos nossos produtos. Eles visitam os estandes na hora que lhes convém,
quantas vezes forem necessárias”, diz. Apesar de estar no ar há menos de
uma semana, a Expobaby já rendeu à MAM contatos de potenciais
compradores.

Editora Globo

Estande da empresa de artigos para bebês MAM, que participa da Expobaby. (Foto: Reprodução)

Após
um breve cadastro gratuito, qualquer pessoa pode percorrer os pavilhões
das feiras virtuais. O número de acessos é ilimitado. “Além de ligar
empresas a clientes de qualquer região do país e até do exterior, 24
horas por dia, a ferramenta contribui com o desenvolvimento de uma
economia sustentável”, conclui Gonzáles. Para o segundo semestre de
2011, a Integra Global já organiza o início de mais duas feiras virtuais
no Brasil.