Marketing de dados vai para TV e é alternativa para digital

Pré-temporada viu aumento de até o dobro em transações e receitas
O segredo do sucesso da pré-temporada das grandes redes norteamericanas de TV, como Fox, Viacom, Turner e NBCUniversal, tem uma explicação: marketing de dados. Elas usaram seus grandes bancos de dados para segmentar as audiências, indo além das tradicionais segmentação demográficas por gênero e idade — a Fox disse que houve um aumento de 40% nas suas transações, enquanto disse haver dobrado as receitas da pré-temporada. Segundo analistas, a esperança das redes é que a segmentação customizada dos anúncios de TV consiga inverter ou ao menos diminuir o ritmo da migração das verbas para o mundo digital. Esse movimento deve se fortalecer ainda mais com o lançamento da plataforma OpenAP que Viacom, Fox e Turner desenvolveram em conjunto. Fonte: Adweek
 
Snapchat usa contas verificadas para flertar com estrelas das redes sociais
O Snapchat lançou suas Official Stories em 2015, mas o recurso estava reservador quase excusivamente para figuras públicas como Rihanna e Kylie Jenner. Agora, a plataforma está expandindo a solução para influenciadores. “As estrelas apenas do Snapchat estavam expressando irritação com a negligência com que eram tratados e estavam migrando maciamente para as Instagram Stories”, comentou Marie Cravens, influenciadora e gerente de parcerias da We Are Social. “O Snapchat está finalmente tentando atraí-los de volta e mostrar [seu] apreço.” Contas com Official Stories têm benefícios, como por exemplo emojis especiais selecionados pelo proprietário da conta e filtros customizados para ocasiões especiais. O mais importante é que elas são mais visíveis em resultados de busca, pois isso era um grande problemas tanto para as marcas como para as estrelas sociais no Snapchat. Fonte: Digiday
 
Couves e abacates mais baratos: eis a estratégia da Amazon para a Whole Foods

A era do “Whole Paycheck” (“seu salário inteiro”), o apelido sarcástico com que os consumidores referiam-se à Whole Foods, rede de supermercados que comercializa produtos naturais, orgânicos ou sem preservantes, sabores, cores e gorduras artificiais, adquirido pela Amazon em junho, parece ter data para terminar esta segunda, 28/8, quando a gigante do comércio eletrônico toma as redeas — e pretende cortar os preços no mesmo dia. Segundo os analistas, o movimento vai muito além do preço de abacates e couves orgânicos, que estarão custando muito menos na segunda do que no domingo. É uma maneira clara de Jeff Bezos, o chefão da Amazon, anunciar seus planos de abalar o setor de supermercados e os concorrentes como Walmart e Kroger. “É assim que a opera”, disse Michelle Grant, da Euromonitor, uma empresa de pesquisa de mercado. “Tudo tem a ver com velocidade, velocidade, velocidade.” O resultado foi imediato: na quinta, 24/8, as ações da Kroger caíram mais de 8% e as da Walmart, 2%. A Amazon planeja juntar seu negócio online com as lojas físicas, transformando o programa Prime em um programa de recompensas da Whole Foods e assim oferecendo economias adicionais para os clientes. Fonte: The New York Times