Mundo 2.0 – O novo jeito de conquistar, fidelizar e manter clientes

0
1



Está cada vez mais percebido pela sociedade os impactos das transformações ocorridas nos últimos vinte anos, em nível mundial.


 


Não só nas posturas individuais e profissionais, mas, principalmente, nos valores de percepção do ambiente empresarial.


 


Há uma nova lógica no ar. E as pessoas, que fazem parte fundamental deste processo, passam a enxergar e adotar patamares de expectativa enquanto clientes e consumidores que levam à consciência do consumo, fidelização e exigências cada vez mais pontuais quanto à marca, produto ou serviço que se utilizam.


 


E as empresas, o que fazem?


 


A maioria delas tenta chegar a resultados positivos baseando-se nas ferramentas muitas vezes já adotadas, tentando conquistar, fidelizar e manter os clientes.


 


Assim, destacam-se:


a)   a utilização de novas tecnologias de abordagem (mobile, Por exemplo);


b)   a proposta de novo design ou conteúdo do produto ou embalagem;


c)    pela exposição freqüente da marca;


d)   pela pesquisa quanto às novas necessidades de consumo;


e)   a prática de preços especiais e promoções sazonais;


f)     a irradiação de pontos de distribuição do produto;


g)   pela estratégia diferenciada de comunicação, e etc…


 


No entanto, o cliente quer mais.


 


Quer que a empresa lhe atraia por novas e até intangíveis ações, capazes de atingí-lo pelas mudanças de comportamento, valores e de atitudes.


 


Diante disto, a mais inovadora ação já demonstrada pelas empresas, captando o consumidor consciente, vem pela estratégia da sustentabilidade dos negócios.


 


Aqui nasce a vantagem competitiva diferencial entre organizações de vanguarda. Que, referenciadas pelos conceitos de responsabilidade social corporativa e de sustentabilidade, dirigem-se aos braços do cliente de uma forma natural, pois garantem, pelo reconhecimento e imagem institucional, o valor estratégico pela adesão a práticas éticas e cidadãs.


 


Tais posturas refletem desejos consolidados junto a todos os públicos com os quais a empresa se relaciona, mexendo com a “alma” da organização, a consciência do consumidor, formando, assim, uma rede de alianças estratégicas sustentáveis.


 


Diante deste quadro, as empresas sofrem ainda pressões externas ou macro-ações globais que são determinantes para que percebam os sinais abertos para chegarem ao cliente, encurtando caminhos.


 


São estas atitudes que garantem as vantagens competitivas através do acesso a novos mercados, garantia de capital e financiamentos exclusivos,a retenção de talentos, a imagem institucional valorizada e, enfim, a fidelização do cliente.


 


Não é à toa, que os Índices de Sustentabilidade das Bolsas de Valores de todo o mundo definem as ações de empresas que adotam estes princípios como as mais valorizadas.


 


Portanto, à frente do mercado estão as companhias que enxergam tais atitudes, que fizeram do marketing social somado à mídia espontânea gerada, um reforço fantástico à imagem institucional embaladas pelo vigor das práticas sociais e ambientais responsáveis regendo, assim, o binômio: negócios sustentáveis, negócios de sucesso!

1 COMENTÁRIO

  1. O Professor Lívio Giosa nos brinda com sua visão pragmática de um futuro empresarial que já se apresenta inexorável para o sucesso no mundo dos negócios: A empresesa socialmente responsável, dirigida por profissionais éticos e competentes.
    Um verdadeiro exemplo de cidadania.
    Parabéns pelo seu trabalho, Professor Lívio!

  2. Prezado Livio,
    Muito interessante seu texto, pois resume a prática socioambiental e a fidelização dos clientes. Meus alunos, a maioria jovens, em início de carreira, já têm esta consciência e a utilizam no desenvolvimento de seus projetos. Fico muito feliz com isto. Parabéns pelo seu trabalho! Enviei aos alunos o link de seu texto para eles se deliciarem e acompanharem o blog. Abs/Rosana

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAs novas regras para call center
Próximo artigoMarketing no Brasil: sinal de bons tempos