O que te irrita mais?

0
2



 


 


A Rádio Eldorado mantém uma linha direta com seus ouvintes,via internet, fazendo enquetes diárias sobre  diferentes assuntos, através do site http://www.territorioeldorado.com.br/radioblog


Recentemente fez um debate sobre telemarketing e procurei saber a opinião dos ouvintes e constatei que:


·        Diferentemente do que comumente se alardeia por ai, o televendas ativo não é mais motivo de tanta irritação e revolta. Mesmo sendo considerado um tanto invasivo e muitas vezes inoportuno, foi citado várias vezes como algo bem legal, com operadores simpáticos, educados e esforçados.


·        Pior mesmo é  a avaliação dos contact center’s, em especial daqueles que fazem atendimento de empresas prestadoras de serviços públicos ou monopolizados ( telefonia, energia elétrica,cartões, bancos,TV’s a cabo). As reclamações começam desde a demora de atendimento, passam pelo tempo de fila (odeiam as mensagens!!!) e tragédia das tragédias, chegam aos atendentes, que consideram mal educados, incompetentes para entender o problema e , pior ainda, para buscar uma solução.


Está cada vez mais difícil defender nossa atividade, porém acho que os atendentes são os “para – choques” das más empresas que teimam em criar critérios absurdos, dificultando ao máximo a vida dos clientes, exceto quando querem nos vender alguma coisa. Neste caso é só alegria!


E  você  acha de quem é a culpa?


 

1 COMENTÁRIO

  1. Parte da culpa está na má remuneração que nossa area pratica, a outra parte está nas empresas contratantes que exigem que se montem operações do dia para noite, não dando tempo para as empresas de call selecionarem adequadamente a mão de obra, o cliente tambem tem culpa pois não lê contratos dos produtos que as instituições oferecem e depois fica fazendo solicitações impossiveis. Tem outros culpados mas se fosse listar todos eles iria com certeza faltar muito espaço para escrever.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorConfiança na economia brasileira
Próximo artigoHaiti e o futuro