Pesquisas: onde se prefere comprar produtos de beleza e uso do celular por jovens

Fazia tempo que eu não reproduzia aqui posts do Blog do Marinho. Falha nossa, porque o que se encontra lá é conteúdo de primeira. Sempre. Tanto assim que passei por lá para pegar o endereço de email do Luiz e topei com essas pesquisas abaixo. Leitura obrigatória. Como sempre.

Pesquisa | Brasileiras preferem comprar produtos de beleza em perfumarias

Pesquisa feita pela Around Research para a Revista Supermercado Moderno mostrou que o autosserviço anda perdendo a briga com as perfumarias pela preferência das mulheres quando o assunto é compra de produtos de beleza. A coisa fica ainda mais complicada quando a gente vê que a disputa é por um mercado que triplicou de tamanho nos últimos 4 anos e que oferece, em média, uma margem bruta de lucro próxima de 35%.

O estudo revelou que 51% das entrevistadas gastam mais de R$ 100 por mês com beleza. A parte do corpo que as mulheres mais valorizam e cuidam são os cabelos. Não é a toa que 100% das pesquisadas usam xampús e 94% delas tem o hábito do condicionador. Os outros produtos mais usados pelas brasileiras são hidratantes para o corpo, esmalte e maquiagem.

Na comparação com as perfumarias, os supermercados só ganham no quesito comodidade para comprar. De resto, as mulheres acham que nas perfumarias encontrarão mais variedade e qualidade. Ainda segundo a pesquisa publicada pela Supermercado Moderno, as consumidoras nacionais, na hora de comprar produtos de beleza, querem orientação dos funcionários, experimentar calmamente cada produto e ainda por cima ganhar serviços gratuitos na loja, como limpeza de pele, por exemplo. Tudo isso é muito mais fácil de encontrar numa perfumaria. Por isso mesmo, até segunda ordem, as brasileiras continuarão comprando mais seus produtos de beleza nessas lojas especializadas.

Pesquisa confirma: jovens no Brasil usam celular só para falar e mandar mensagens

Não é exagero dizer que jovens no mundo todo começam a ter mais acesso aos celulares. Também dá para dizer, sem medo de errar, que os que já possuem um não desgrudam de seus aparelhos.

Pesquisa feita pela Nielsen em 9 países, inclusive o Brasil, mostrou, entretanto, que a garotada dos países emergentes tem mais dificuldades que a dos países desenvolvidos em aproveitar todas as vantagens de seus telefones móveis. Prova disso é que 60% dos brasileiros entre 15 e 24 anos são apenas usuários de voz e mensagens de texto. Nos Estados Unidos, ao contrário, 83% trafegam dados pelos seus telefones. Tem mais – aqui no Brasil, apenas 5% dos jovens navegam na internet por meio de celulares. Já entre os americanos esse percentual sobe para 48%.

O estudo da Nielsen revelou ainda que 90% dos consumidores jovens de telefonia móvel no Brasil possuem planos pré-pagos, que 31% orientam suas escolhas por preço e 56% pagam suas próprias contas de celular. Por outro lado, são eles mesmos os responsáveis pela escolha de seus aparelhos e operadoras.

A expectativa é de que o bom momento da nossa economia faça com que mais jovens brasileiros obtenham telefones inteligente no futuro próximo e que os planos das operadores se tornem também mais acessíveis. Nesse dia então o mobile marketing vai se tornar, enfim, realidade em nosso país.