Tweets sobre TV começam a ser medidos, uma mesa solar, e mais

Nielsen começa a medir conversas no Twitter sobre programas de TV

Objeto foi instalado na Universidade de Boise, que tem amplas ações de sustentabilidade no campus.
Mesa solar instalada na Universidade de Boise, EUA, incentiva ações de sustentabilidade. Leia abaixo

A Nielsen agora está medindo o que chama de “audiência única” para posts no Twitter sobre programas de televisão, proporcionando uma visão mais completa do fenômeno conhecido como “social TV”. Na segunda-feira, 7/10, a empresa lançou o Nielsen Twitter TV Ratings, um produto anunciado no ano passado que busca medir toda a atividade e o alcance de conversas do Twitter conversa sobre programas. “Segundo Andrew Somosi, executivo-chefe da SocialGuide, empresa de análise adquirida pela Nielsen em novembro passado, em parte, para criar o novo produto, a mensuração de posts sobre um programa de TV é apenas a ponta do iceberg do Twitter.” O iceberg completo”, disse ele em entrevista, “é o grau em que as pessoas são vendo os tweets.” Por exemplo, o episódio de estreia de Grey’s Anatomy em 26 de setembro recebeu 225 mil mensagens que foram vistas por 2,8 milhões de contas diferentes do Twitter, de acordo com os algoritmos da Nielsen. É impossível dizer quantos desses usuários assistiram ao show, como resultado das mensagens, mas pesquisas anteriores descobriram que a atividade do Twitter às vezes estimula a audiência. O lançamento do produto da Nielsen tem a ver com o fato de que o Twitter fez da parceria com a indústria da televisão uma prioridade, visando impressionar os investidores em relação ao seu IPO. Portal Abemd

Mesa solar é capaz de carregar celulares e ligar computadores

Elaborada com materiais reciclados, a mesa Solar Power-Dok consegue transformar os raios de sol em energia suficiente para ligar aparelhos, recarregar celulares e outros gadgets. Instalada no pátio da Universidade Estadual de Boise, nos EUA, a solução pode ser levada aos locais que têm dificuldade no acesso à energia. O equipamento virou sensação entre os estudantes da universidade norte-americana, e tem como principal objetivo incentivar os jovens a promoverem ações de sustentabilidade na sua rotina. De acordo com o portal de noticiasKTVB, a mesa demandou custos da ordem de 13 mil dólares. Com painéis fotovoltaicos instalados em seu guarda-sol, a Solar Power-Dok é mais usada durante o período de intervalo das aulas – assim, ao sentarem para comer ou simplesmente conversar, os jovens aproveitam para carregar seus dispositivos sem precisar de tomadas – o que torna o equipamento mais econômico (de médio a longo prazo) e totalmente viável para ser usado em acampamentos e nos locais em que a população enfrenta falta de infraestrutura. Ciclo Vivo

Aumenta entusiasmo de anunciantes com publicidade nativa no mobile

A expressão “publicidade nativa” está na moda. Mas atenção: não confundir com advertoriais, advertainment e outros formatos que já existiam e que tentam emular conteúdo editorial de um veículo. Um “native ad” é mais óbvio do que um advertorial e, no entanto, mais efetivo, na medida em que utiliza o contexto da experiência do usuário. Links patrocinados, “promoted tweets”, histórias patrocinadas do Facebook são exemplos. Ainda são formatos que estão sendo experimentados, inclusive no marketing diálogo, mas há um entusiasmo crescente pelos resultados, principalmente em relação às plataformas móveis. Segundo pesquisa da Sharethrough, realizada em agosto de 2013, metade das empresas americanas pesquisadas disseram ter usado posts patrocinados, um “native ad” para distribuição de conteúdo online. A pesquisa descobriu que esse movimento ocorreu na direção do mobile, com mais de um quarto dos anunciantes mobile afirmando ter comprado anúncios nativos em mobile. Além disso, eles demonstraram entusiasmo com a eficácia do formato: praticamente todos os pesquisados disseram ser esses “native ads” são muito ou de alguma forma eficazes para atingir seus objetivos de branding (84,4% buscavam “awareness”) e também de intenção de compra (33,8% citaram este objetivo). Portal Abemd

Gartner: consumidores usam celulares mais para pesquisa do que para comprar

O movimento na direção do m-commerce tem mais a ver com informações do que transações, afirmou Miriam Burt, analista do Gartner, durante uma apresentação sobre como gerar receita com tecnologias móveis. A palestra fez parte do Gartner Symposium and ITXpo, realizado no domingo, 6/10, e foi dirigida a CIOs de empresas de varejo. Segundo ela, o retorno sobre o investimento pode ser complicado — especialmente porque a maioria dos consumidores não fecha uma transação através de seus dispositivos móveis. Em geral, eles usam os smartphones para encontrar lojas, verificar preços e pesquisar produtos, dificultando a conexão direta entre receita e dispositivo. Por outro lado, alguns varejistas estão usando a tecnologia móvel para mapear o processo de vendas ao cliente, como mostra o gráfico, com excelentes resultados. Portal Abemd