Coronavírus exige alto índices de inovação em pouco tempo

0
3

Reclamações, filas e falta de
qualidade no atendimento. Estes são os limites iniciais de um modelo de
administração que não consegue resolver a demanda com qualidade na oferta.
Vivemos em um mundo tão complexo, que a pandemia só vem confirmar que sofremos por
um mundo ainda pouco flexível. Com as plataformas digitais sendo utilizadas
para gerar negócios, criar relacionamentos e interagir com as empresas, é
preciso aumentar a taxa de inovação para lidar com pessoas, profissionais e
empresas cada vez mais digitalmente experientes.

Precisaremos sair de índices
muito baixos para altos em muito pouco tempo. É como se a forma de pensar
obedecesse a Lei de Moore (1965): “O número de transístores dos chips
teria um aumento de 100%, pelo mesmo custo, a cada período de 18 meses”.
Afinal, tudo agora passou a ser baseado em software, celular, plataformas,
startups, que mudam regularmente e irão exigir renovação constantemente.
Produtos e serviços eram feitos para durar e se repetir no tempo. Agora, são
feitos para se renovar. Assim, a motivação, a vontade de mudar, de criar, de
inovar de todos nós têm que ser muito maior do que no passado.

E este é o grande desafio de hoje
em dia: usufruir todo o potencial que o digital possibilitará aos profissionais
e aos negócios. Em março/19 foi publicado um estudo do Google e a McKinsey
sobre a maturidade digital do brasileiro. O Brasil é 4ª população on line no
mundo em termos de atividades realizadas com uso diário do computador ou
smartphone. No entanto, apesar de o brasileiro ter tirado uma nota geral de 3,5
em uma escala que vai de 0 a 5, as atividades do brasileiro estão muito
relacionadas com o desejo de comunicação e socialização, e não para a cultura
digital, entre elas, aprendizado de novas tecnologias por conta própria, atualização
constante em relação a novas tecnologias, avaliação entre diferentes soluções
para um problema, definição de indicadores e uso deles para trackear
resultados, busca de soluções criativas e vocação para aprender testando, para
dar alguns exemplos. Em todos estes casos a nota é 3,0 – e cai ainda mais para
1,8 quando se trata de criação e divulgação de conteúdo, organização, limpeza e
manipulação de base de dados e programação.

O que muda com o digital é como
nos comunicamos e, consequentemente, como nos administramos neste momento da
história tão complexo – somos 7 bilhões de pessoas no planeta. É preciso
aumentar a taxa de inovação – esta define o modelo ideal de relacionamento de
trabalho entre as empresas e os seus colaboradores. A repetição funcionava bem
para as organizações que repetiam mais do que mudavam – fazia sentido – hoje
não é mais assim.

É esta mudança que precisa mudar
a direção para uma nova forma digital de pensar. E o pior, é que é muito
difícil trocar o mindset. Mas lembre-se, o foco não deve ser a inovação
propriamente dita. É preciso manter-se competitivo. Isto significa adquirir
clientes, rentabilizar clientes, reter clientes e etc. É preciso inovar de
forma competitiva. Isto significa inovar no sentido do cliente.