Austrália processa Facebook, alegando violação de dados de usuários

Multas podem somar  US$ 529 bilhões
O regulador de privacidade australiano entrou com uma ação contra o Facebook, acusando a gigante das redes sociais de compartilhar os detalhes pessoais de mais de 300.000 pessoas com a Cambridge Analytica sem o conhecimento delas. No processo, o Comissário Australiano de Informações acusou o Facebook de violar a lei de privacidade, divulgando 311.127 informações de usuários para perfis políticos por meio de um produto de pesquisa, ´This Is Your Digital Life´, em seu site. A ação buscou indenizações não especificadas, acrescentando que cada violação das leis de privacidade pode trazer uma penalidade máxima de A$ 1,7 milhão (US$ 1,1 milhão). A multa seria de US$ 529 bilhões se o tribunal conceder o máximo para cada uma das 311.127 instâncias. Fonte: Reuters


Mercado de vestíveis cresce 89%; 337 milhões de dispositivos chegando ao mercado

A tecnologia vestível está em ascensão. As remessas globais de dispositivos portáteis cresceram 82% no quarto trimestre de 2019, atingindo 119 milhões de unidades, de acordo com a última previsão da International Data Corporation (IDC). Durante todo o ano, 337 milhões de dispositivos portáteis foram enviados, um aumento de 89% em relação a 2018. O crescimento impressionante foi impulsionado principalmente por audíveis, definidos como acessórios que se colocam ou se conectam ao ouvido, responsáveis por mais da metade de todo o mercado. As pulseiras conectadas cresceram 37% e os relógios 23% no ano. Fonte:  MediaPost Connected Thinking
Mais de um bilhão de dispositivos Android em risco, pois não recebem mais atualizações de segurança
Mais de um bilhão de dispositivos Android correm o risco de serem invadidos ou infectados por malware, porque não são mais suportados por atualizações de segurança e proteção interna. Essa é a conclusão de uma investigação da Which?, Que descobriu que smartphones em risco ainda estão sendo vendidos por terceiros por sites como a Amazon, apesar da variedade de malware e de outras ameaças às quais eles são vulneráveis. O relatório cita dados coletados pelo Google em maio de 2019, que descobriu que 42,1% dos usuários ativos do Android em todo o mundo estavam executando a versão 6.0 (conhecida como Marshmallow) do sistema operacional ou anterior. O problema é que a versão atual do Android é a versão 10, lançada em setembro passado. Seus antecessores imediatos – Android 9.0 Pie e Android 8.0 Oreo – continuam recebendo atualizações, mas as versões anteriores não. Para demonstrar o problema, Which? comprou um Motorola X, um Samsung Galaxy A5 2017 e um Sony Xperia Z2 de vendedores do Amazon Marketplace e os pôs à prova ao lado de um LG / Google Nexus 5 e Samsung Galaxy S6 que eles já tinham em seu laboratório de teste. Em testes conduzidos com especialistas da AV-Comparatives, verificou-se que os telefones eram suscetíveis a uma variedade de vulnerabilidades divulgadas há muito tempo. Estes incluíam: BlueFrag – uma vulnerabilidade crítica no componente Bluetooth do Android que pode permitir que um hacker mal-intencionado nas proximidades comprometa um dispositivo para roubar dados e espalhar malware. Stagefright – descoberto pela primeira vez em 2015, os hackers poderiam explorar dispositivos Android sem patch para infectá-los silenciosamente e remotamente com malware por meio de uma mensagem MMS com armadilha. Joker (também conhecido como Bread) – malware que se apresenta como um aplicativo legítimo na loja Google Play, mas registra os dispositivos das vítimas para catálogos de endereços de serviços e saqueadores de tarifa premium. Fonte: HotForSecurity