CGI.br anuncia cronograma do processo eleitoral de 2020

Representantes da Sociedade Civil eleitos terão mandato de três anos, a partir de junho do ano que vem
O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), modelo brasileiro de governança multissetorial da Internet que implementa, a partir de processos diretos de participação, um importante espaço de decisão e diálogo na obtenção dos consensos necessários para as recomendações e diretrizes do uso e governança da Internet no Brasil, terá o seu sexto processo eleitoral para representantes da Sociedade Civil iniciado a partir de quarta-feira (11/12). O processo eleitoral elegerá onze representantes da Sociedade Civil no Comitê Gestor, sendo quatro do setor empresarial, quatro do terceiro setor e três da comunidade científica e tecnológica. As entidades que desejarem participar e votar precisarão ser homologadas e poderão indicar candidatos para representar o seu segmento, os quais se eleitos exercerão mandato de três anos (2020 a 2023). Compõem o CGI.br onze representantes da Sociedade Civil, sendo quatro eleitos pelas organizações do terceiro setor, quatro pelo setor empresarial e três pela comunidade científica e tecnológica e outros nove representantes de órgãos de governo e um representante de notório saber em assuntos de Internet, formando um total de 21 integrantes. No processo eleitoral, as organizações da Sociedade Civil podem se inscrever e enviar os documentos necessários até 6 de fevereiro de 2020 para serem homologadas a compor o colégio eleitoral do respectivo setor. Todas as orientações estão disponíveis no sítio do CGI.br: cgi.br/processo-eleitoral/. Após a composição dos diversos colégios eleitorais, será iniciado o prazo para a indicação dos candidatos para as 11 cadeiras da Sociedade Civil. A votação será realizada por meio eletrônico no período de 18/05/2020 a 22/05/2020.

General Motors e LG Chem unem-se rumo à eletrificação
Iniciativa faz parte do investimento de U$28 milhões da GM em seu laboratório de baterias   
A General Motors e a LG Chem anunciaram planos para produção em massa de células de bateria para veículos elétricos. Juntas, as empresas investirão até US$ 2,3 bilhões por meio de uma nova e equânime joint venture. A joint venture contará com uma fábrica de montagem de células de bateria que será construída na região de Lordstown, no nordeste de Ohio (EUA), que vai gerar mais de 1.100 postos de trabalho. A fábrica de última geração utilizará os mais avançados processos de produção, tudo em um único local, com o objetivo de garantir máxima eficiência e pouco desperdício, e se beneficiará da economia de recursos por conta da fabricação em grande escala em toda a cadeia. A nova fábrica será extremamente flexível e capaz de se adaptar aos contínuos avanços tecnológicos e a novos materiais. A parceria também inclui um acordo entre as duas líderes de mercado para o desenvolvimento de alta tecnologia para a produção de baterias, o que reduzirá os seus custos a níveis mais eficientes e viáveis para a produção industrial. Este anúncio, juntamente com a recente venda do complexo de produção da GM em Lordstown, Ohio, à Lordstown Motors Corp. para a fabricação de caminhões elétricos, posiciona o nordeste de Ohio e o Mahoning Valley como um importante centro de tecnologia e produção de veículos elétricos. “Com esse investimento, Ohio e sua força de trabalho altamente qualificada desempenharão um papel fundamental em nossa jornada em direção a um mundo com zero emissão”, disse Mary Barra, presidente e CEO da GM. “A combinação de nossa experiência em processos produtivos com a alta tecnologia das células de bateria da LG Chem vai acelerar nossa busca por um futuro totalmente elétrico. Esperamos colaborar com a LG Chem para oferecer ainda maior valor agregado aos nossos clientes”. Além da integração da manufatura de células de bateria nos EUA, a LG Chem ganhará uma força de trabalho experiente. Também se beneficiará de um fluxo de produção dedicado aos futuros veículos elétricos da GM, incluindo um caminhão elétrico totalmente novo, que será lançado no outono de 2021. Essa iniciativa faz parte do investimento de U$28 milhões da GM em seu laboratório de baterias em Warren, Michigan (EUA), anunciado no final do ano passado. Esse projeto inclui os investimentos na manufatura de Ohio anunciados no início deste ano, totalizando aproximadamente US$ 700 milhões que criarão cerca de 450 empregos em Toledo, Parma e em Brookville, Ohio (EUA).

Robôs domésticos começam a adotar modelos de assinatura

Até agora, os robôs consumidores não obtiveram muito sucesso, mas isso pode estar prestes a mudar. Em 2020, os fabricantes de robôs vão procurar modelos de assinatura, de acordo com o relatório anual de tendências tecnológicas para o próximo ano da Juniper Research. “O maior fracasso da robótica de consumidor é que ela não gera receitas repetidas; tradicionalmente opera em um modelo altamente transacional “, afirma o relatório. Os robôs domésticos estão prestes a oferecer apelo mais duradouro à medida que os fabricantes passam para os modelos de assinatura, de acordo com o relatório de tendências. As assinaturas permitiriam atualizações frequentes de conteúdo e oportunidades para parcerias no ecossistema de residências inteligentes, de acordo com a Juniper. Fonte: MediaPost Connected Thinking