Impacto da COVID-19 no varejo será pior do que recessão da década passada

Contração este ano sera de 3%, enquanto em 2009 foi de 0,1%

As vendas totais no varejo em todo o mundo devem atingir US$ 23.358 trilhões em 2020, uma queda de 5,7% em relação a 2019 — e quase 12% abaixo da estimativa pré-pandêmica de US $ 26.459 trilhões feita pela eMarketer. A magnitude da desaceleração e o ritmo da recuperação serão mais difíceis no mercado de varejo do que o que eles chamam de “Great Recession”, a crise entre 2007 e 2010. Contextualizando, o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que o crescimento do PIB mundial contrairá 3% este ano, em comparação com a queda de 0,1% em 2009. E quando a recuperação ocorrer, esperamos que seja mais lento. Após o período financeiro de 2008-2009 crise, a maioria dos mercados afetados levou aproximadamente um ano para que as vendas no varejo retornassem aos níveis pré-crise, mas, para esta crise, eles preveem um período de recuperação mais longo, de aproximadamente dois anos. A maioria dos países retornará aos níveis de crescimento pré-pandêmico até 2022, embora alguns países do norte da Europa possam retomar o crescimento normal até o final de 2021. A recuperação será mais lenta, pois impactos diretos, como fechamento de lojas e cadeias de suprimentos interrompidas, serão exacerbados por efeitos secundários, como exportações lentas e alto desemprego. “Períodos prolongados de atividade econômica abaixo da tendência podem levar a efeitos indiretos, como desaceleração das exportações, levando a menor renda, maior desemprego e falência corporativa”, disse o diretor de previsão da eMarketer da Insider Intelligence Shelleen Shum. Esse efeito já é perceptível nos mercados que começaram a se abrir: na China, os locais de varejo físico reabriram, mas os gastos do consumidor não se recuperaram. Um estudo de caso mostra que quase 90% dos locais de H&M na China estavam abertos em meados de março, mas as vendas ainda caíam 79% ano após ano, de acordo com a Inside Retail Asia. Além disso, a natureza global da pandemia piora seu efeito no varejo, uma vez que a atividade econômica está tão profundamente entrelaçada. Fonte: eMarketer

Estudo: #StopHateForProfit está ganhando mais apoio dos consumidores
Pesquisas da Horizon Media revelam que a conscientização dos consumidores sobre a campanha #StopHateForProfit que incentiva as marcas a boicotar o Facebook aumentou de 12% no final de junho para 20% na semana passada e a porcentagem de americanos que apoiam marcas que participam da iniciativa aumentou de 18% para 40% no mesmo período de tempo. Apenas 4% dizem que boicotariam as marcas participantes, contra 6% no final de junho, e a Horizon Media afirma: “O potencial positivo das marcas participantes do #StopHateForProfit continua sendo significativo, com muito mais apoio do consumidor à campanha do que oposição”. Fonte: MediaPost MediaDailyNews

Google resolve entrar na briga da compras via vídeo
A divisão experimental Area 120 do Google lançou o Shoploop, uma plataforma de compras via vídeo com clipes de 90 segundos destacando produtos de marca e curadores que podem ser comprados. O Shoploop se concentrará inicialmente em itens para os cabelos, maquiagem, unhas e cuidados com a pele de marcas como Allure e Sabbatical Beauty, com planos de expandir categorias, incluindo eletrônicos, roupas e jóias. Fonte: MediaPost Search&PerformanceMarketingDaily