Lockdown do Twitter revela riscos maiores à frente

Hackers assumiram as contas de figuras notáveis para impulsionar um golpe de criptomoeda  
Na tarde da quarta-feira, 15/7, por um curto período de tempo, hackers assumiram as contas de Joe Biden, Barack Obama, Elon Musk, Bill Gates e outras figuras notáveis para impulsionar um golpe de criptomoeda — uma mensagem que atraia as pessoas a depositar bitcoins em uma conta específica. O pior, porém, veio depois: a percepção por conta de líderes empresariais, políticos e usuários comuns que sua rede escolhida para informações em tempo real é ainda mais vulnerável a ser sequestrada do que eles pensavam. Com o objetivo de conter o problema, o Twitter por um tempo impediu todas as contas verificadas (de jornalistas, políticos, celebridades e outros atores públicos) de postar novas mensagens. Especialistas sugerem que o plano para roubar bitcoins é café pequeno em comparação com  coisas muito piores que um malfeitor poderia fazer com o acesso às contas de maior perfil do Twitter. Trump, por exemplo governa essencialmente via essa rede social, ditando novas políticas e ameaçando outros líderes mundiais. Nas mãos erradas, essa conta pode começar uma guerra. O problema maior, dizem esses especialistas, é que alguns dos problemas mais profundos revelados na quarta-feira estão relacionados à estrutura do Twitter. A marca azul ao lado de um nome deve indicar que você pode confiar na identidade da conta. Mas essas foram exatamente as contas que foram comprometidas. E a resposta do Twitter, impedindo que todas as contas verificadas sejam postadas, uma tática compreensível para limitar a propagação do golpe, criou seus próprios problemas. Privados de suas contas principais, muitos tweeters importantes se voltaram para contas secundárias antigas, contas de amigos ou contas totalmente novas para continuar postando. Alguns veículos de comunicação, como o NBC News, postaram em contas temporárias, enquanto outros enviaram notícias de contas menos importantes. Essa solução alternativa permitiu manter as mensagens fluindo. Mas isso criou novos problemas para o clima de informações do Twitter, já que o mesmo método poderia ser usado pelos imitadores para espalhar informações errôneas ou fraudes. Fonte: Axios

PepsiCo descobriu que campanhas internas melhoram ROI e são mais ágeis

A PepsiCo cortou custos e lançou campanhas mais rapidamente, coordenando mais marketing internamente durante a pandemia de coronavírus, disse Hugh Johnston, diretor financeiro. “Trata-se de aprimoramento e criação de capacidade internamente, para que você possa ter maior controle de seus gastos com publicidade”, disse Josep Hernandez, diretor sênior de mídia da PepsiCo e planejamento total de conexões. Fonte: Campaign USA

O que substituirá a segmentação que usava cookies de terceiros?
A segmentação será muito mais difícil para as marcas daqui para a frente, pois o uso de cookies de terceiros começam a diminuir em função das nova legilsações,. Segundo Anand Das, diretor de tecnologia da Eyeota, os anunciantes terão que começar a procurar editores, provedores de dados primários e tecnologias como aprendizado de máquina para criar novas soluções robustas. Métodos alternativos, como segmentação contextual, têm benefícios e deficiências, diz o executivo, por isso as soluções que envolvem o uso de dados primárias serão vitais. Algumas empresas de tecnologia estão inovando nessa área e Da prevê que a morte dos cookies provavelmente resultará no surgimento de algo ainda mais eficaz, mais respeitoso do usuário e mais benéfico para todo o ecossistema. Fonte: SmartBrief