“Planeta ou Plástico, Uma Maratona Especial Para Gerar Consciência

Na sexta-feira, 3 de julho a partir das 18h o National Geographic estreia quatro documentários que refletem as consequências do uso de plástico no meio ambiente
Na ocasião do Dia Internacional Sem Sacos de Plástico, a National Geographic transmitirá uma programação especial com a estreia de quatro documentários que convidam você a refletir sobre o uso do plástico e suas consequências. A Nat Geo se uniu a essa luta contra o plástico há vários anos, com o objetivo de conscientizar sobre esse material que revolucionou nossas vidas, mas com seu uso maciço e perda de controle global, tornou-se um pesadelo para a sociedade, meio ambiente, oceanos e os seres que o habitam. O especial começa sexta-feira, 3 de julho, às 18h com a estreia de Plástico: Trajetória e Poluição, é um documentário revelador que expôs a verdade por trás de carregamentos de plástico destinados a aterros. Às 18h45 estreia Maré de Plástico, documentário que examina o crescente problema da poluição plástica em nossas águas. Começando em Bombaim, na Índia, uma cidade litorânea na qual o povo costumava nadar e que agora está completamente coberta de lixo. Em seguida, às 19h30, estreia Baleia: Morta pelo Plástico, um documentário que revive as notícias que saíram ao redor do mundo quando uma baleia morta apareceu em uma pequena baía na Noruega com 30 sacolas plásticas no estômago e mostra o que os animais que vivem nas águas do nosso planeta. Para finalizar, às 20h15 Mergulho no Ártico retrata a campanha de Lewis Pugh, embaixador da ONU para a proteção dos oceanos, que arrisca sua vida nadando nas águas geladas do norte para lutar pela proteção da natureza.


Assistentes de voz crescem em importância à medida que os negócios retornam

O uso de assistentes de voz e a tecnologia de voz em geral tem aumentado nos últimos anos, graças, em grande parte, à adoção pelo consumidor de alto-falantes e dispositivos inteligentes. No entanto, a pandemia de coronavírus está deixando claro o fato de que, para retornar a uma aparência de normalidade, a tecnologia de voz agora se tornou imperativa onde antes era simplesmente uma coisa boa de se ter. Para empresas e locais de trabalho, a implementação da tecnologia de voz não será mais uma novidade ou um meio simples de afirmar um compromisso com a inovação. À medida que as empresas reabrem e, posteriormente, em um mundo pós-pandemia, isso passará a sinalizar um compromisso com a saúde dos funcionários, clientes e comunidade. Assistentes virtuais serão cada vez mais empregados. Os chatbots e as IAs de voz podem responder aos clientes a qualquer hora do dia sem interrupção, aliviando substancialmente a carga dos call centers e melhorando a satisfação do cliente. Alto-falantes e dispositivos conectados também têm um papel a desempenhar para manter as pessoas conectadas, felizes e entretidas, mesmo quando nos isolamos ou nos protegemos em casa. Por exemplo, o recurso “Drop In” no Amazon Alexa permite que os usuários façam check-in facilmente de parentes idosos que estão se isolando. Esses dispositivos podem proporcionar entretenimento para toda a família, mas são particularmente úteis para crianças, idosos e pessoas com deficiência que, de outra forma, podem ter dificuldades em usar um dispositivo tradicional. Fonte: SmartBrief

Pesquisa: confiança nas principais plataformas sociais está diminuindo
Um estudo recente realizado pela OpenX e The Harris Poll aponta para uma mudança no sentimento do consumidor em relação às plataformas sociais. O estudo constatou que 61% dos entrevistados primeiro usam a web aberta para descobrir “conteúdo de alta qualidade”, enquanto 31% recorrem primeiro às principais plataformas como Facebook, Instagram e YouTube. Comparado ao ano passado, 31% dizem que usam menos o Facebook, enquanto 26% dizem que diminuirão o tempo no Facebook daqui para frente. Fonte: The Drum

Consumidores baixaram 71,5 bilhões de aplicativos este ano

Os gastos do consumidor com aplicativos móveis e instalações de aplicativos cresceram significativamente durante o primeiro semestre de 2020, em parte devido à pandemia do COVID-19, de acordo com novos dados da Sensor Tower. Na primeira metade do ano, os consumidores gastaram US$ 50,1 bilhões em todo o mundo na App Store e no Google Play — um número que aumentou 23,4% em relação à primeira metade de 2019. Anteriormente, a receita havia crescido 20% entre a primeira metade de 2018 e 2019, em comparação. Além disso, as instalações de aplicativos aumentaram 26,1% em relação ao ano anterior no primeiro semestre de 2020, atingindo 71,5 bilhões de downloads. A App Store da Apple foi responsável por 18,3 bilhões desses downloads, um aumento de 22,8% em relação ao ano anterior, enquanto o Google Play entregou 53,2 bilhões de novas instalações de aplicativos, um aumento de 27,3%. Embora o Google Play tenha visto muito mais instalações de aplicativos, a App Store da Apple continuou a superar seu rival em gastos de consumo. Fonte: TechCrunch