Realidade Aumentada prova cada vez mais ser ferramenta de marketing viável

Interação com tecnologia aumentou com a pandemia
A consultoria eMarketer estima que mais de 83 milhões de americanos interagiram com alguma forma de realidade aumentada pelo menos uma vez por mês durante o ano passado e esse número só deve aumentar em meio à pandemia, especialmente entre a geração Y e a geração Z, escreve Ivan Markman, da Verizon Media. Ele diz que os anunciantes podem aproveitar e impulsionar a adoção de RA, oferecendo experiências únicas e uma variedade de conteúdo que diferencia uma marca, e usá-la para aprimorar as experiências de varejo na loja. Fonte: Campaign USA 
Solução de RA sem aplicativo já está disponível. Fale comigo: [email protected]


Estudo: anunciantes planejam cortes na mídia digital no terceiro trimestre

Um estudo de percepções do anunciante mostra que 54% dos anunciantes planeja reduzir seus gastos com anúncios no terceiro trimestre em comparação ao terceiro trimestre do ano passado, o que marca uma desaceleração nos cortes em relação ao segundo trimestre, quando os orçamentos foram cortados em 72%. Apenas 40% dizem que reduzirão a alocação do quarto trimestre deste ano em relação à do ano passado. Os anunciantes planejam se concentrar nos meios de comunicação digitais, com 75% usando redes sociais e display pagos para publicidade local, enquanto 87% pretendem negociar os termos do contrato. Fonte: Marketing Dive

Google Cloud lança ferramenta de análise multicloud

O Google Cloud lançou um alfa privado do BigQuery Omni, que permitirá aos usuários analisar dados armazenados em várias nuvens, incluindo Amazon Web Services e, em breve, Microsoft Azure. O objetivo é ajudar as empresas a obter informações sobre seus dados, permitindo que os desenvolvedores usem uma interface SQL padrão, disse Debanjan Saha, executivo da Google Cloud. Alimentado pela plataforma de nuvem híbrida Anthos do Google Cloud, o BigQuery Omni permite que os desenvolvedores usem o mecanismo do BigQuery para analisar dados localizados em várias nuvens, incluindo os de concorrentes do Google Cloud como AWS e Microsoft Azure – embora, por enquanto, o serviço seja compatível apenas com a AWS, com o suporte do Azure em breve. Usando uma interface unificada, os desenvolvedores podem analisar esses dados localmente sem precisar mover conjuntos de dados entre plataformas. Fonte: TechCrunch