Um convite para ouvir Homero no original grego. E muitas outras poesias

Vocês sabiam que eu tenho um podcast?

Chama-se O Avesso da Memória e é um espaço aberto para poesia, música, literatura, arte e cultura em geral.

Publiquei esta semana o sexto programa da série. Confiram aqui.

Abri esta mais recente edição com o trecho inicial do Canto I da Odisseia, de Homero, musicado pelo compositor grego Nefarius Karantzis e cantado por Sabina Guaianatou.

A Odisseia foi composta entre 800 e 675 a.C. e, assim como todas as obras dessas antigas civilizações, em forma poética para efeitos de memorização – a poesia, portanto, é uma forma de arte anterior à escrita.

A nossa viagem começa na Grécia, mas passa também pela Galícia, região ao norte de Portugal e Espanha, no Século XIII, onde escutaremos uma cantiga de amigo, gênero da poesia galego-portuguesa, composta por El-Rey Dom Diniz e interpretada por Amâncio Prada, e chegaremos finalmente ao Século XXI, onde poderemos escutar alguns poemas-cantigas que compus (a bela voz de Celina João está nos refrões), uma canção da carioca Marcia Schiavo, poemas da potiguar Gidália Santana e do paulista Carlos Augusto Pereira, além da leitura de alguns microrroteiros da cidade na voz da criadora desse gênero intringante, misto de conto, poema e grafite, Laura Guimarães.

Vocês estão convidados para ouvirem também as edições anteriores de O Avesso da Memória.