KFC e National Australia Bank criam ´voz da marca´ via Alexa

Equipe de linguística da Amazon Polly usa inteligência artificial 
A voz da Alexa da Amazon está mudando. Um novo recurso chamado Brand Voice pode ser usado para criar uma voz única que representa uma marca. O recurso de voz personalizado pode ser criado com a equipe de cientistas de pesquisa linguística, usando inteligência artificial da Amazon Polly. O Amazon Polly é um serviço de nuvem da Amazon Web Services que converte texto em fala realista. A equipe trabalhou com a Kentucky Fried Chicken Canadá e o National Australia Bank para criar Brand Voices exclusivas. “Somos uma das primeiras marcas a adotar a tecnologia de voz em voz e texto aprimorada da Amazon Polly para criar uma experiência de reordenamento KFC perfeita e distinta para nossos fãs”, disse Jason Cassidy, diretor de marketing da KFC Canadá. Fonte: MediaPost Connected Thinking

Relatório: adtech de vídeo para celular desafia editores

Enquanto o crescimento da publicidade em vídeo para dispositivos móveis ultrapassa o vídeo em computadores, os editores não conseguem implementar as principais estratégias programáticas, como “header bidding”, pois a implementação continua sendo um desafio para os dispositivos móveis. Esta foi uma descoberta de um estudo recente da Forrester Consulting, encomendado pelo PubMatic sobre tendências globais de monetização de anúncios em vídeo. Header bidding, conjunto de tecnologias que permite a um publisher disponibilizar seu inventário de impressões de forma horizontal, conectando várias ad exchanges ao mesmo tempo em um leilão unificado, está rapidamente se tornando uma prática recomendada para os editores que desejam gerar receita e gerenciar efetivamente seu inventário de vídeos. A estratégia de integração de software mais popular varia de acordo com o dispositivo, com os “client-side header bidding” (57,4%) classificados no topo para computadores e os lances abertos em tempo real (58,5%) no primeiro lugar para dispositivos móveis.Embora seja uma solução comprovada para muitos desafios de monetização, 39% dos editores consideram a implementação de lances de cabeçalho de vídeo desafiadora para dispositivos móveis e 31% para computadores. Embora a falta de conhecimento interno ou conjuntos de habilidades (44,3% para dispositivos móveis, 47% para computadores) e recursos de desenvolvimento (37,3% para dispositivos móveis, 36,4% para computadores) estejam no topo da lista de ambos, aqueles com implementações para dispositivos móveis têm maior probabilidade de citar a falta de suporte ao fornecedor (34,8%) como motivo de seus desafios. Apesar dos desafios, os planos para lances de cabeçalho de vídeo para crescimento estão no horizonte. Em 12 meses, as implementações de aplicativos para dispositivos móveis e da Web para dispositivos móveis provavelmente ultrapassarão a área de trabalho devido ao crescimento planejado no espaço. O aplicativo móvel mostra o maior crescimento, com 31,5% expandindo seu uso e 23,2% implementando pela primeira vez. Fonte: WARC
Até 2021, mais da metade das empresas usará o LinkedIn no seu marketing
A eMarketing estima que pouco mais da metade dos profissionais de marketing (50,3%) usará o LinkedIn para fins de marketing e publicidade até 2021. Este ano, 49,6% das empresas com mais de 100 funcionários usarão a plataforma profissional de mídia social. As previsões excluem empresas que usam a plataforma estritamente para recrutamento. Atualmente, as estratégias B2B no LinkedIn são mais comuns do que as B2C, uma vez que historicamente tem sido a plataforma de mídia social preferida pelas empresas B2B para atingir públicos profissionais. Nos últimos anos, o LinkedIn introduziu muitos recursos para atingir esse público-alvo com base no cargo, educação, senioridade, setor e empresa – todos eles importantes atributos do público-alvo B2B. Segundo Oscar Orozco, analista sênior da eMarketer, “o LinkedIn possui uma grande quantidade de dados primários em um público profissional e recursos exclusivos de segmentação B2B, tornando-o um ótimo lugar para envolver os tomadores de decisão de negócios. Isso continuará impulsionando o aumento do uso da plataforma como ferramenta de marketing nos próximos anos.” Em setembro de 2019, a rede lançou uma nova interface de seu produto de publicidade de autoatendimento do Campaign Manager, chamado de publicidade baseada em objetivo. Dentro da nova experiência os anunciantes podem escolher manualmente entre três guarda-chuvas de objetivos: conscientização, consideração e conversões. Fonte: eMarketer