ACS tem a preocupação em diferenciar da concorrência

0
4

Há quatro anos atuando com operação de cobrança, a ACS tem a sua disposição, exclusivamente para este fim, 60 PA´s e 150 pessoas envolvidas. Com este negócio, a ACS fatura R$ 4 milhões por ano. Para agregar valor a operação e se diferenciar da concorrência, a empresa aposta no uso de alta tecnologia e infra-estrutura de ponta. “Juntamente com o mapeamento dos processos de cada cliente, o objetivo é fazer com que a operação na ACS seja uma extensão do seu negócio, oferecendo além de grandes resultados, além de feedbacks para as áreas envolvidas no processo de ciclo de crédito e cobrança e até mesmo para a área mercadológica”,explica Hamilton Reis, diretor comercial.


Segundo Hamilton, toda a infra-estrutura, pessoal operacional e staff envolvidos nas operações de cobrança são exclusivos para esse serviço e separados por cliente. “Ou seja, cada cliente possui sua ilha de cobrança”, comenta. Estão entre seus clientes a CTBC, Intelig, Telecom e TIM Celular.


Infra-estrutura e RH


Uma das preocupações da empresa é com a infra-estrutura. A operação de cobrança disponibiliza, DAC Avaya Definity, discadores automáticos Power ou Preditivo, URA digital Avaya, Servidor CTI, plataformas de gravação total ou sob demanda (Nice Log, Eyretel), condição non stop de funcionamento da operação caso haja necessidade, com total redundância de rede, link´s de dados e voz e alta disponibilidade de energia elétrica, água e mão-de-obra especializada. “Nosso principal software de cobrança é um legado da ACS, que foi construído ao longo dos quatro anos, tendo como principal característica sua flexibilidade de adaptação ao modelo exigido pelo cliente contratante (layout, forms, front end, integrações com outros softwares e CRM´S) e sua total integração com a plataforma de telefonia. Além deste, utilizamos outros softwares de apoio para gerenciamento do DAC (Centre Vu), que pode ser disponibilizado o CRM People Soft, caso o cliente contratante não possua ferramentas de CRM operacional e analítico”, diz Hamilton.


A área de RH não fica atrás. As pessoas envolvidas neste processo, segundo a companhia, são treinadas nos aspectos inerentes à legislação. “Os profissionais são selecionados a partir de um perfil único e exclusivo à operação de cobrança, considerando-se aspectos como fluência verbal, capacidade de negociação, maturidade, cortesia e orientação para resultados. E é com essa visão que a empresa pretende investir, para 2005, em treinamento e capacitação aproximadamente 2% do faturamento da Business Unit de Cobrança.