Almaviva reforça aposta no Nordeste

0
1
Com o objetivo ambicioso de ser a terceira maior empresa do mercado, a Almaviva está dando mais um espaço em sua estratégia de crescimento. Depois de abrir, esse ano, uma unidade em Aracaju, a empresa já fechou com Teresina para receber seu novo site. Previsto para ser lançado no primeiro semestre de 2014, a operação terá capacidade para 1,5 mil posições de atendimento e 3 mil funcionário. “A inauguração da unidade visa atender tanto novos clientes, como a ampliação dos contratos atuais”, conta Giulio Salomone, vice-presidente do conselho de administração da Almaviva Brasil. Para saber mais sobre o novo site, o portal Callcenter.inf.br conversou com exclusividade com o executivo, que falou sobre os planos de crescimentos da empresa.
Callcenter.inf.br: Qual a expectativa de crescimento da Almaviva para os próximos anos?
Salomone: Temos planos de crescimento semelhante àqueles que tivemos nos últimos anos, ou seja, crescemos no último ano cerca de 50% e nos últimos cinco anos mais de 30%. A perspectiva é de manter essa evolução.
Esse site em Teresina vem para suportar esse crescimento?
Posso dizer que o nosso crescimento nos próximos doze meses vai passar por Teresina. Dizemos que é uma expansão importante para a nossa empresa, sobretudo porque queremos crescer não só em receita mas também em qualidade. E nossa expectativa é de encontrarmos na vidade a mesma qualidade que encontramos em Aracaju.
Por que decidiram por Teresina?
A Almaviva vem de uma operação de grande sucesso em Aracaju, Sergipe, inaugurada esse ano. Então, como processo natural, começamos a olhar outras oportunidades no Nordeste. Pesquisamos as taxas de escolaridade, índices demográficos e o lugar que mais nos atraiu foi justamente Teresina, no Piauí. Fechamos um compromisso com o Governo do Estado, que foi muito receptivo para ter a nossa empresa, pois iremos levar um desenvolvimento econômico e social para a região, principalmente com a contratação de jovens. É importante essa questão do primeiro emprego em um lugar onde há uma boa taxa de escolaridade, mas não há muitas alternativas que garantam uma formação e um percurso profissional de alto nível.
A operação já começa com as 1,5 mil PAs em operação?
Ainda temos que avaliar as oportunidades, mas devemos ter um crescimento rápido como foi em Aracaju. Lá chegamos a mais de quatro mil funcionários em praticamente cinco meses.
Já é um segundo site de vocês no Nordeste. Como o Sr. vê essa descentralização do setor rumo ao Nordeste?
Vejo que o Nordeste é muito grande e tem espaço para todos. Porém, não vai ser um crescimento infinito. De qualquer forma, ainda há muitas possibilidades na região para o crescimento do setor.