Atento aposta no setor industrial e de governo

0
4

A meta da Atento Brasil, que em 2001 teve um faturamento de R$ 594,7 milhões, era otimizar os espaços já existentes. Em 2002, continuou presente em cinco estados brasileiros, mais o Distrito Federal, com 18 contact centers, entre próprios e remotos. Embora a empresa não tenha aumentado em espaço físico, o número de operações cresceu e a companhia conquistou mais 15 clientes como Nokia, Golden Cross, Medial Saúde, Unimed/BH, Ambev, Avaya, Light e Sony, entre outros. Além de realizar investimentos em sistemas como a URA com reconhecimento de voz, a empresa destacou dois novos serviços: o delivery e a telecobrança.

Segundo Marcelo Alves, diretor de produtos, “muitas empresas estão percebendo que o atendimento, embora fundamental para o relacionamento com seus clientes, não deve ser uma atividade fim. Além disso, uma empresa especializada conhece como ninguém as melhores soluções para esse trabalho. As que já optaram pelo outsourcing não só reduziram seus custos como passaram a conhecer novas ferramentas de relacionamento, ampliaram o seu contato com consumidores e clientes e têm alcançado índices de qualidade bastante positivos nos serviços de atendimento”, avalia o diretor.


Alves acrescenta que os setores industriais e de governo têm gerado grande potencial de crescimento. Já os produtos são aqueles que têm agregado no apoio à cadeia de produção: SAC, vendas e suporte à distribuição. Para 2003, a empresa tem como expectativa o crescimento do setor, porém, em níveis menores que os registrados entre 1997 e 2000.