O canal para quem respira cliente.

Bom para todos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Muitos falam que a reforma trabalhista é boa apenas para as empresas. Porém, as apostas do mercado é de que ela trará ganho para todos. Essa é a visão, por exemplo, de Eduardo Santana Moura, diretor financeiro da Callink, que acredita em um cenário mais esperançoso para os trabalhadores e para as empresas, posto que as mudanças possibilitam uma flexibilização maior das regras. “Isso permite que o empregado e o empregador realizem negociações em que os dois poderão ser beneficiados da mesma maneira”, explica. 
O executivo defende que as novas regras vão ao encontro à modernidade, permitindo que o setor tenha novas possibilidades de produção e, concomitantemente, gerem uma qualidade de trabalho melhor para os empregados. “Com toda certeza. Ambos terão mais liberdade para discutir o cenário de trabalho, criando novas possibilidades que satisfaçam a todos os envolvidos”, pontua.
Além disso, com a reforma trabalhista os contact centers terão uma liberdade maior de atuação, segundo Moura, “posto que o abismo e a insegurança jurídica que gerava a diferenciação entre a atividade meio e a atividade fim estará mais clara e regulada”. Isso também permitirá que as empresas tenham um leque maior de serviços e consequentemente pode gerar mais oportunidades de empregos. O diretor financeiro da Callink acrescenta ainda que os contact centers terão maior facilidade para remunerar funcionários por produtividade, trabalhar a possibilidade do trabalho remoto, como também permitir uma flexibilidade no cumprimento de jornada.
Porém, ele alerta que, embora o cenário da reforma trabalhista seja positivo para trabalhadores e empresas, estas terão que se atualizar e colocar em prática, o quanto antes, as condutas exigidas pela Lei. Isso porque se postergarem sua atuação poderão sofrer consequências jurídicas no futuro. “Dada a rapidez com que a reforma trabalhista foi aprovada, as empresas terão que se adequar perante as novas regras, instruindo principalmente seus gestores, as áreas de auditoria e o departamento pessoal, a fim de que não ocorra nenhuma situação que possa ferir os direitos dos trabalhadores”, afirma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bom para todos?

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
O crédito consignado geralmente é a saída para os clientes que querem realizar um financiamento e até mesmo acertarem suas dívidas. Segundo Marco Crivelaro, professor de matemática financeira da Fiap, a expectativa é de alta para esse setor, já que oferece taxas mais baixas e mais benefícios. “Quem busca financiamento, para carros, bens, presentes e afins, vai encontrar taxas mais elevadas. O crédito consignado é uma alternativa, porque às vezes a compra não tem um valor tão alto”, afirma.
Além disso, esse mercado também tem apresentado grande competitividade, especialmente devido à quantidade de agentes financeiros que ofertam esse tipo de crédito, segundo Nelson Antônio de Souza, presidente interino do Banco do Nordeste. “Essa competitividade deve se acirrar ainda mais com o processo de portabilidade que permite a transferência das dívidas dos mutuários entre os bancos, com redução no custo das operações”, explica. 
Para Paulo Ribeiro, superintendente de crédito do Banco Cooperativo do Brasil, Bancoob, com as novas regras para a portabilidade, a expectativa é de ainda mais crescimento também para cooperativas de crédito. “Este cenário está mudando, a portabilidade da conta-salário já vem ajudando a impulsionar essa mudança. Outro fator importante a considerar é a Portabilidade de Crédito, porque abre uma enorme perspectiva para as instituições financeiras cooperativas na atração de novos associados”, comenta.
Segundo Flávio Calife, economista da Boa Vista Serviços, a expectativa é a queda da inadimplência possa também ajudar esse mercado ainda este ano. “O mercado de crédito consignado está positivo nos dias atuais, ainda cresce com dois dígitos, com perspectiva de continuidade desta tendência. A queda da inadimplência recente poderá favorecer o mercado ainda em 2014, mas o mais provável é que este efeito seja mais nítido em 2015”, comenta.
Além dos consumidores, o segmento de consignado também oferece vantagens para as instituições que ofertam crédito. Segundo Jane César Coelho, superintendente de crédito consignado do banco Mercantil do Brasil, além da segurança na forma do pagamento, é possível aumentar o mix de produtos com os clientes, sem contar os inúmeros benefícios que o empréstimo traz para os consumidores. “Para o tomador de crédito, o beneficio é obter um financiamento com taxas menores, prazos mais confortáveis, sem adição de outras garantias ou cobrança de tarifas”, salienta.
Porém, apesar de todas as vantagens oferecidas, tanto para as instituições financeiras quanto para os consumidores, é importante que o empréstimo seja realizado de forma consciente, como afirma Rogério Nakata, da Economia Financeira. “Mesmo que esse empréstimo consignado esteja dentro dos 30% de sua receita líquida, elas possuem outros compromissos fixos mensais como aluguel, escola das crianças, financiamento do automóvel, entre outros.” 
Na opinião de Ricardo Pereira, da Dinheirama.com, no entanto, o setor de crédito pode enfrentar algumas dificuldades com o endividamento das famílias em alta, mas nada que possa prejudicar o mercado, já que o consumidor brasileiro tem apresentado comportamento mais consciente na hora de acertas suas contas. “O principal problema é justamente o endividamento das famílias que já está alto, seguindo nesse patamar poderemos ter problemas que poderão trazer dificuldades para o setor, mas hoje os números ainda apontam a possibilidade de administrar a situação, sem contar que o brasileiro mesmo endividado e convivendo com juros altos ainda é um bom pagador”, comenta.
Para que haja conscientização, portanto, Reinaldo Domingos, da Educação Financeira DSOP, acredita que as instituições financeiras devem investir mais na educação financeira dos seus consumidores, para evitar que haja prejuízo para os envolvidos no processo do empréstimo. “Com a educação financeira, esse problema se minimiza, pois as pessoas perceberão que o problema não é estar endividado, principalmente quando isso está relacionado a realização de um sonho. O real problema são os consumidores não terem controle e capacidade de arcar com esses créditos”, comenta Domingos.
E na sua opinião, quais são as vantagens do crédito consignado? Deixe a sua opinião na enquete do portal Portal Crédito e Cobrança.

Leia também as matérias exclusivas do especial:
Com aumento da taxa de juros, empréstimo consignado deve ser boa saída para clientes
Com mais benefícios, modalidade de crédito consignado apresenta crescimento significativo
Mercado de crédito consignado apresenta competitividade, especialmente com a portabilidade
Com cliente mais cuidadoso, cenário do mercado de crédito consignado deve ser positivo
Ofertantes de crédito devem investir na educação financeira dos consumidores
Com atendimento diferenciado e taxas menores para consignado, cooperativas de crédito apresentam crescimento
Para maior segurança, necessidade de tomar empréstimo no crédito consignado deve ser bem avaliada
Com queda da inadimplência, segmento deve crescer ainda mais nesse ano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bom para todos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



Além de trazer ganhos para as empresas, a movimentação do mercado de call center em direção ao interior tem aquecido a economia das cidades. “Com a ingestão de capital, existe a possibilidade de um maior desenvolvimento do comércio local, o que, automaticamente, possibilita um aprimoramento do mesmo, refletindo positivamente nas cidades”, esclarece Carlos de Arnaldo Silva Filho, Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico e Negócios de Turismo de São José do Rio Preto, acrescentando que a cidade tem interesse em receber empresas de call center.

 

Para as empresas, ele aponta como vantagens a excelente infra estrutura e mão-de-obra local. Silva reforça ainda qualidade de vida que as cidades possuem. “O interior oferece mais tranquilidade e sossego. Não há engarrafamentos de horas e a interação com as pessoas é maior. Também paga-se menos pra viver, morar e se divertir. Ou seja, vive-se melhor com menos”, comenta. Em entrevista exclusiva ao portal Callcenter.inf.br, o secretário fala sobre essas vantagens e, mais especificamente, o que pode oferecer a cidade de São José do Rio Preto, uma das dez melhores cidades do interior de São Paulo para instalar uma operação de call center, de acordo com pesquisa da revista ClienteSA e do portal Callcenter.inf.br.

 

Carlos de Arnaldo Silva Filho – Como vocês vêem o movimento das empresas em direção ao interior?

Carlos de Arnaldo Silva Filho: Esse movimento é positivo, pois “desafoga” as capitais, as quais muitas vezes já estão saturadas de determinado tipo empresarial, e propicia maiores oportunidades para quem está no interior. Sem contar na questão do próprio capital, que é melhor distribuído, sem ficar concentrado somente nas “cidades grandes”. Com a ingestão de capital nas cidades interioranas, há a possibilidade de um maior desenvolvimento do comércio local, o que, automaticamente, possibilita um aprimoramento do mesmo, tornando-o mais competitivo, mais ágil, e com produtos de melhor qualidade, e isso reflete positivamente nas cidades, e para o próprio consumidor.

 

Quais as vantagens para as empresas?

O interior oferece mais tranquilidade e sossego.  Não há engarrafamentos de horas e a interação com as pessoas é maior. O tempo gasto devido ao trânsito e ao grande volume de pessoas é menor, podendo garantir algumas horas a mais na semana das pessoas que vivem no interior, comparadas as que vivem nos grandes centros. Paga-se menos pra viver, morar e se divertir. Vive-se melhor com menos.

 

Qual a vocação da cidade?

De acordo com dados do IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o PIB de Rio Preto é o 57º maior do Brasil, destacando-se a cidade na área de prestação de serviços, que sozinha rende R$ 5.247.106 ao PIB municipal. O setor terciário atualmente é a maior fonte geradora do PIB rio-pretense.

 

Qual a política de vocês para receber novas empresas?
Estamos sempre dispostos a receber novas empresas em nossa cidade e analisamos todas as propostas uma a uma e as enquadramos dentro da legislação municipal vigente.

 

Por que uma empresa deve decidir por se instalar em sua cidade?

São José do Rio Preto tem apresentado um forte crescimento nos últimos anos. Hoje a cidade é a 11ª do estado de São Paulo em potencial de consumo e a 42ª do Brasil. Um dos números que mostram esse desenvolvimento rápido do município é o orçamento da Prefeitura Municipal, que cresceu de R$ 600 milhões para R$ 1,2 bilhão.  São José do Rio Preto também é considerada uma das melhores cidades do país para se fazer negócio. Por ser um dos principais centros econômicos do Estado é conhecida como a capital do Noroeste Paulista, e fortalece essa posição com a ampliação de um de seus shoppings e a construção de mais dois nos próximos anos. Além disso, dos 5.565 municípios brasileiros, São José do Rio Preto ocupa a 18ª colocação no ranking das mais promissoras cidades brasileiras para se construir uma carreira profissional, segundo uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas.

 

De que forma a cidade pode agregar valor às empresas de contact center?

Por ser uma cidade sede de região, com mais de 110 cidades no raio de 100 km, possui uma população de mais de 2 milhões de habitantes. Também possui excelente infraestrutura e mão-de-obra local.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima