Crises e oportunidades

0
2
Autor: Alberto Sampaio de Oliveira
As notícias deste começo de ano no cenário econômico brasileiro não parecem nada animadoras, principalmente pelos ajustes nas contas do governo: aumento de impostos, elevação da taxa de juros, inflação alta, aumento na tarifa de energia elétrica e dos combustíveis, etc. O próprio ministro da Fazenda, Joaquim Levy, em Davos, na Suíça, admitiu que haverá retração na economia (inicialmente ele havia dito recessão, mas depois trocou por retração).
Não há como ignorar este cenário difícil, mas acredito que crise e oportunidade caminham juntas. Em momentos de bonança econômica é natural que pessoas e empresas se acomodem, relaxem, pois os recursos estão entrando mais facilmente. Já em períodos de dificuldades é preciso buscar alternativas, sair da zona de conforto, ser criativo, inovador, ter estratégias e comprometimento. Sob o manto de uma crise sempre estão escondidas grandes oportunidades.
Se por um lado a indústria brasileira deve continuar patinando este ano, muito por culpa da falta de uma política industrial consistente por parte do governo, por outro há setores que devem continuar crescendo, entre eles destaco o varejo, e-commerce, telecom, higiene e beleza, seguros, educação, cobrança, saúde e o próprio governo. Estes são mercados que estarão oferecendo as melhores oportunidades.
Como estratégia para atingir estes mercados, já não há mais espaço para soluções generalistas, que atendam a todos da mesma forma, pois cada um tem suas particularidades. Assim, é preciso desenvolver e oferecer soluções específicas, que atendam melhorar cada segmento. É nisso que estou apostando e focando os meus esforços, assim como a minha equipe.
Os investimentos em tecnologia devem crescer, já que as empresas estão buscando melhorar os resultados operacionais e crescer em receitas, mas sem aumentar os custos na mesma proporção. Elas serão obrigadas a buscar soluções que permitam atender a um contingente ainda maior de clientes sem que seja necessário aumentar de maneira significativa o número de funcionários, procurando também oferecer um nível de serviço ainda melhor. A palavra de ordem é fazer mais, com menos e melhor – reduzir custos, aumentar a produtividade e atender melhor os seus clientes.
A tecnologia também é essencial para fortalecer o relacionamento com os clientes. Em um mercado cada vez mais acirrado e com o consumidor mais exigente e informado, o bom atendimento passa a ser um diferencial competitivo de vital importância. O consumidor não quer apenas comprar um produto ou serviço, ele espera ser conquistado e ter experiências positivas. Ao contatar o fornecedor, ele deseja agilidade e que os seus problemas ou dúvidas sejam resolvidos em múltiplos canais, seja por telefone, e-mail, site ou chat.
Enquanto alguns pensam em ficar na defensiva, se recolher até a tempestade passar, acredito que a melhor estratégia é sair à luta, criar oportunidades, buscar a inovação, entender as necessidades dos clientes e oferecer as melhores soluções e serviços. Por essa razão estamos otimistas.
Alberto Sampaio de Oliveira é diretor de relacionamento com o cliente da VoxAge.