Desafiadas pela rotatividade

0
2



No negócio, o cliente sempre teve razão. E quando se trata de atender esse cliente, o clássico chavão ganha ainda mais força. Chamariz para a empresa, o relacionamento com o consumidor precisa ser uma das principais preocupações, o que justifica a necessidade fundamental de cuidar de quem faz essa ponte de ligação, os colaboradores. “Sem pessoas, as empresas não existem. São nossos sonhos, talentos, competências e ideias que constroem ´cases´ de sucesso”, revela Marcela Buttazzi, sócia-diretora da MB Coaching. É aí que está o desafio para pequenas, médias ou grandes centrais de atendimento: reter funcionários.

 

No setor de contact center, a média mensal de turn over é de 6,5% a 10%, de acordo com o presidente da consultoria Elancers, Cezar Antonio Tegon. “Isso significa, por exemplo, que uma empresa com 10 mil funcionários trocará entre 650 a 1.000 pessoas por mês”, explica. Contribui com esse cenário o de fato de as pessoas não se sentirem engajadas, além do estereótipo de que o trabalho no contact center é um emprego casual ou mesmo uma porta de escape, sem perspectivas de futuro, enquanto não se acha algo melhor. “Para reduzir os problemas de atendimento aos consumidores, é preciso atacar os problemas estruturais de contratação e capacitação”, aponta.

 

Além de dar atenção aos processos de seleção e treinamento, a conquista do cliente interno precisa se manter contínua. Um dos pontos principais na retenção dos talentos é, como ressalta a diretora de recursos humanos da Proton Consultoria, Sônia Nakabara: ganhar a confiança do colaborador, indicando um caminho promissor pela frente. “As empresas deste segmento precisam rever formas de melhorar a remuneração, aprimorar os incentivos e, principalmente, mostrar aos profissionais que há possibilidades de crescimento, de se chegar à gestão na área”, revela.

 

Do outro lado da linha: o cliente, como mais um

Se o colaborador passa horas seguidas acolhendo problemas e reclamações dos clientes, ele precisa ter controle emocional. No entanto, muitas vezes a exaustão nessa área de atuação é tanta, que, agravada pela falta de reconhecimento profissional, baixa remuneração e pouco investimento em treinamento, gera um fenômeno conhecido com despersonalização, como explica Meiry Kamia, diretora da consultoria que leva seu nome. “O resultado é a fala mecânica ao telefone, como se tivessem apenas reproduzindo um texto decorado. É uma forma de não entrar em contato com a pessoa do outro lado da linha. Assim, não há desgaste emocional, mas também não há comprometimento para com o cliente”, ressalta.

 

Essa ausência de comprometimento gera prejuízos para clientes e empresas. “Quando o atendimento é de baixa qualidade, o consumidor perde tempo, dinheiro e admiração pela marca, produto ou empresa”, garante Marcela, da MB Coaching. É nesse momento que surge a pergunta: como incentivar os profissionais a fazer esse trabalho da melhor forma possível? “Fazendo o colaborador se colocar no lugar do outro, isto é, ´como eu gostaria de ser atendido?´”, salienta a gerente de recursos humanos da Voxline, Suely Canha. Gerar resultados para os clientes é o objetivo, e sem comprometimento não se atinge as metas. Por isso, “há um esforço muito grande para manter a equipe integrada e voltada para o resultado. É como se tivéssemos que polir um cristal diariamente para não perder o brilho”, compara Suely.

 

Quanto o consumidor sofre com a rotatividade de funcionários nas centrais de atendimento? Acesse a enquete e dê sua opinião.

 

Confira as matérias do especial sobre turn over:
O ciclo vicioso do turn over
Falta de maturidade emocional e de investimentos no profissional geram desmotivação

 

Sem pessoas, sem empresa
Cuidar dos colaboradores é fundamental pelo bem do negócio, indica especialista

 

E se eu fosse o meu cliente?
A estratégia é conscientizar colaboradores a se colocarem no lugar do público para avaliação

 

Resultados a partir da contratação
Com processo seletivo estruturado, próximo passo é investir em capacitação, diz consultor

 

Diálogo com o cliente interno
Confiança mútua entre empresa e funcionário é fundamental para o comprometimento

 

Leia outras matérias do portal Callcenter.inf.br sobre o tema:
Contact center: carreira ou bico?
Média de permanência de teleoperadores nas empresas é de quatro meses

 

Sob o desafio de fazer permanecer
Mais do que preparar, GCC Contact Center surge com a meta de gerar perspectiva de carreira

 

Retenção de talentos como objetivos da central
Reconhecimento e salário, qualidade nos headsets incluem a lista de importância em satisfação dos operadores, diz pesquisa

 

Líderes despreparados contribuem para turn over
Desenvolver lideranças pode reverter quadro de desligamentos dos colaboradores

 

As dificuldades em contratar e reter
Turn over foi um dos temas discutidos no último painel do Encontro

 

Como reduzir o turn over e o absenteísmo
Manter o planejamento com um relacionamento próximo da operação ajuda a encontrar oportunidades que melhorem a satisfação dos operadores com seu trabalho

 

Taxa de turn over: a ponta do iceberg
Há que se fazer um choque de gestão e um trabalho de formiguinha

 

Quem tem medo da rotatividade?
Falta de comprometimento e de propósito entre os profissionais