O canal para quem respira cliente.

Hora de investir em retenção de talentos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



Com um mercado de trabalho altamente comprador, a preocupação das empresas deve girar em torno de práticas que não permitam o desperdício de talentos e não estimulem a prospecção de empregos entre os profissionais, já que as previsões para este mercado são de fortalecimento e continuidade. Dessa forma, as empresas devem adotar uma estratégia para fixação e retenção de seus funcionários e implementar ações que não permitam que outras empresas atraiam seus colaboradores mais pró-ativos e atrevidos.


Para Antonio Luiz de Almeida Staut, sócio-fundador da StautRH – consultoria especializada em recrutamento e seleção de executivos – a estratégia de retenção de talentos adotada por uma empresa deve iniciar-se através do recrutamento interno de profissionais. “Com uma política clara, dinâmica e competitiva, deve-se oferecer remuneração e benefícios especiais para os profissionais de melhor desempenho, valorizando a prata da casa. Mas não se deve excluir a pesquisa de mercado, que é importante para balizar o posicionamento competitivo e as práticas adotadas pela empresa. Além disso, é importante manter programas publicáveis de ascensão e de desenvolvimento profissional contínuo para todos os colaboradores”. 


Em pesquisa realizada pela StautRH com executivos paulistas, em dezembro de 2010, confirmou-se que há vagas para aqueles que buscam novas perspectivas no mercado. Dos 256 executivos participantes, 69% buscaram novas oportunidades durante o ano de 2010. Destes profissionais que proativamente procuraram por novos desafios, 90% participaram de pelo menos um processo seletivo e 31% acabaram por mudar de empresa. Tal situação confirma o aquecimento do mercado e alerta para a importância de uma boa política e práticas para retenção e fixação dos bons profissionais. “Apenas o salário, mesmo agressivo, não retém o profissional moderno. Tem força igual: a empresa cidadã, o ambiente de trabalho saudável, o crescimento profissional contínuo e o respeito à qualidade de vida do profissional”, ressalta Staut.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima