O trabalho está em primeiro lugar?

0
9
Autor: José Teofilo Neto
Nestes tempos bem conturbados, é voz corrente que o trabalho está em primeiro lugar. É verdade que precisamos ter ganho de dinheiro para preservar várias coisas essenciais em nossas vidas. Mas qual o preço que cada um está disposto a pagar? Já mostrando qual será nossa linha de raciocínio, afirmamos que a vida, está em primeiro lugar.
Não somos iguais uns com os outros. Cada um tem sua individualidade, que é complementada por experiências pessoais, que nos impulsionam ou nos bloqueiam. São nossas crenças, valores e atitudes. Seja quem for, desde o mais bem-sucedido, até o fracassado, todos possuímos estas três componentes dentro de nós. Não bastam conhecimentos científicos para saber como agem. Esses três componentes foram se enraizando em nosso cérebro durante as experiências que tivemos na vida.
As crenças, não as confundir somente com religião, mas sim, tudo aquilo que acreditamos serem verdades. Desde pequeninos ouvimos histórias. Muitas boas (é preciso estudar muito, trabalhar bastante, respeitar o próximo, amar a Deus, entre outras); outras histórias/crenças más como, ter sucesso sem trabalho, azar, encontrar culpados por nossos fracassos.
Muitas dessas crenças, podem moldar os valores que damos às coisas, à vida. Tipo: faço tudo por dinheiro – certa vez um milionário disse à Madre Tereza, que não faria o que ela faz, por dinheiro nenhum; e ela respondeu “Eu também!”. Percebeu a diferença de valores?
Este desastre ecológico em Mariana? A crença que jamais seriam pegos, e o pouco valor à vida humana e à natureza, levaram a esse desastre.
As crenças e valores, determinam as atitudes. E então você quer sempre ser “o” esperto; não dá lugar aos idosos no metrô; demite os funcionários quando os negócios vão mal, sem sequer reavaliar seus erros na direção da empresa; utiliza-se do cargo para praticar assédio ou bullyng; você faz filhos não planejados, separa-se e põe seus pais como babás, enquanto vai para as baladas, pois precisa refazer sua vida.
Crescemos ouvindo “tem que levar vantagem em tudo”; “seja esperto”, “rouba mas faz”; “estupra, mas não mata”; “relaxa e goza”.
Isso lembra alguma coisa nos noticiários de agora? Desfilam corruptos, pedófilos, estupradores, arrastões, agressões, violência sem fim. Tente adivinhar quais serão as crenças, valores e atitudes desses personagens da vida real.
A vida real não é um mar tranquilo, temos altos e baixos, sucessos e fracassos. O lado cruel é que a vida real não admite rascunho, nem photoshop, nem corretor de textos. É preciso recorrer às boas lições que te ensinaram, os bons valores que você escolheu seguir, pois isto orientará suas atitudes.
Concluindo, o mais importante é como você conduz sua vida. As demais coisas serão consequência.
José Teofilo Neto é educador corporativo, palestrante e sócio da Comunicação Direta.