Rapidez e eficiência nas decisões

0
3
Dá para praticar o empowerment em um call center? Sim, é possível. Estabelecer claramente os níveis de autonomia para a decisão e pontos de ruptura dessa autonomia na cadeia de processos confere agilidade e eficiência nas decisões junto aos consumidores e usuários do call center, de acordo com Carlos Eduardo Dalto, consultor sênior do Instituto MVC, professor de MBA da FGV e sócio-proprietário da Methodos Educação Corporativa.
Da mesma forma, ele pontua que autonomia para situações que fogem ao padrão também evita uma enxurrada de protocolos e atrasos nas resoluções. “Resolver, de prontidão, as solicitações de atendimento, evita desgastes, gera satisfação e retenção de clientes e mais que isso, evita custos”, completa Dalto, esclarecendo que um atendente que abre um chamado, que poderia ter sido resolvido na hora no atendimento e não foi por falta de autonomia, leva considerável tempo até juntar novas informações, realizar pesquisas no sistema para entender o caso e não tem o cliente na linha para esclarecer possíveis dúvidas. “Logo, custo com uma equipe de backoffice para dar vasão aos chamados abertos.”
Aliado a isso, o consultor destaca que o contexto atual do mercado pede que organizações inovem e estimulem a criatividade das pessoas. Como posso ter uma equipe criativa, estimulada e inovadora sem atribuir poder de decisão ou envolvimento nos processos? E aí entra o empowerment, potencializando as competências na base da pirâmide. Ouvindo e aproveitando o que essas pessoas têm a dizer. “Gestores antenados a esse conceito, ouvem e inserem as pessoas que operacionalizam as atividades no processo. A consequência é aumento de repertório e uma visão mais apurada dos detalhes”, completa.
GANHOS O QUE EMPOWERMENT TRAZ AOS CALL CENTERS
1o) Equipe envolvida nos processos e parceira do negócio. A medida que dá autonomia, gera interesse e desafios importantes no processo.
2o) Economia. Levar decisões e resolução de problemas que podem ser tomadas na base, por funcionários operacionais, a instâncias superiores, atrasa processos, deixa as empresas e pessoas lentas. A consequência, custos desnecessários.
3o) Enquadramento das funções e atribuições. Não é de hoje que grandes estudiosos de negócios sugerem que as decisões e resolução de problemas sejam tomadas o mais próximo possível de onde elas ocorrem. Levar as decisões para instâncias superiores gera disfunções: ocupa-se diretores com decisões operacionais, enquanto deveriam se ocupar das decisões estratégicas.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCooperativas em alta!
Próximo artigoÉ preciso monitorar!