O canal para quem respira cliente.

Contra filas, contra mau atendimento, contra fraudes

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Fundada dia 12 de janeiro de 1861, a Caixa Econômica Federal nasceu com a missão de conceder empréstimo e incentivar a poupança popular, além de inibir a atividade de empresas que não ofereciam garantias aos depositantes e cobravam altos juros. 144 anos depois, a Caixa se consolida como instituição respeitada, com 60 mil funcionários, duas mil agências, mais de seis mil correspondentes bancários (loterias e outros lugares onde a Caixa está presente) e uma carteira que ultrapassa 100 milhões de clientes. Mas, clientes e cidadãos?! O alinhamento político da instituição, tanto focado no relacionamento interno quanto externo, a levou a implementar em 2002 a ouvidoria, como um órgão para ser o advogado do cliente, operacionalizado nas mãos da executiva Isabel de Fátima Ferreira Gomes.
Formada por uma equipe de 38 profissionais, a área recebe perto de 700 mensagens diárias, que Isabel chama de manifestações de clientes externos – destes, 90% através do 0800. Até então a instituição contava com o Serviço de Atendimento a Cliente, o SAC, vinculado ao marketing, e a Ouvidoria nasceu com a filosofia de dar um passo à frente no tratamento das petições de forma sistematizada, visando resolver, não apenas o problema, mas o processo que o causou. “Enquanto o SAC tem a atribuição de atender a solicitação, a missão da Ouvidoria é interpretá-la, identificar falhas e contribuir para a melhoria dos processos, serviços e produtos da empresa”, explica Isabel.
Mas o serviço é prestado também ao cliente interno. São mais 170 reclamações diárias, sendo 99% através da intranet. Mas, nada impede que o funcionário reclame pessoalmente, apesar da disponibilidade de outras ferramentas como carta e telefone, que garantem anonimato. “Além disso, a intranet é disponibilizada a todos os funcionários”, afirma. Dos cinco motivos mais reclamados, três versam sobre o tempo de espera nas filas de atendimento. “Realmente este problema é o mais demandado, mas vamos resolvê-lo, procurando sensibilizar os funcionários para que haja uma melhora neste quesito”, pondera Isabel.
Ela reconhece a questão como grave, mas lembra os avanços dos últimos anos, lembrando de um ranking mensal que o Banco Central criou para listar as instituições com mais reclamações. “Somos o único banco de grande porte que em 2004 não entrou nenhuma vez no ranking, o que comprova os melhoramentos. No entanto, ainda existem coisas a serem feitas e que vamos fazer, com certeza”, entusiasma-se a executiva. Uma necessidade é a ampliação do quadro de pessoal, identificado como um dos gargalos ao mau atendimento. Para isso, a instituição planeja contratar mais oito mil funcionários já neste primeiro semestre de 2005 – e a maioria para o setor de atendimento a clientes.
Como a ampliação do quadro funcional depende de decisão política (autorização do Ministério do Planejamento), a organização tem procurado otimizar o pessoal interno com uma política clara de disseminar a cultura do bom atendimento internamente. Ao mesmo tempo, reivindica junto ao Ministério a ampliação do número de pessoas e procura cumprir a meta estabelecida pelo Presidente Lula na última reunião ministerial do ano: dos colaboradores terem verdadeira obsessão contra as filas, o mau atendimento e as fraudes. “O Presidente disse que quer e vai cobrar uma radicalização da transparência nas estatais, pois a melhoria do atendimento interessa à coletividade, além do compromisso do Governo Federal”, justifica Isabel. O passo, agora, é de sair do período neo-liberalista, com foco em lucro. “Passamos pela fase onde o importante era o resultado financeiro, independente do impacto no atendimento ao cliente. Procuramos disseminar internamente que o lucro não é tudo”, pondera.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima