3M do Brasil conta com o sofisticado MBI

0
0

Mais de 50 profissionais da área de tecnologia da informação, além de usuários-chaves de 12 departamentos, participaram da implementação do programa MBI – Management Business Information, que acaba de ter concluída a sua primeira fase. O programa da 3M está baseado em sofisticados sistemas de análise de informação, fornecidos pela Business Objects, empresa especializada em soluções de Business Intelligence (BI) e Gestão de Desempenho Corporativo, com as ferramentas BusinessObjects Web Intelligence, BusinessObjects Query and Analysis e BusinessObjects Supervisor.
O MBI foi inicialmente direcionado às áreas de vendas e marketing, finanças, manufatura e administração de materiais da 3M brasileira, com o objetivo de agilizar a tomada de decisão nos negócios, a partir do monitoramento de informações sobre a empresa. “O software da Business Objects nos permite reunir informações numa única base de dados, de forma simples e com fácil acesso”, afirma Carlos Gamero, coordenador de projetos de sistemas de informação da 3M. Ele destaca que a empresa conseguiu transformar dados provenientes de do sistema de gestão BPCS, da SSA, em ricas informações estratégicas, criando parâmetros para gerenciar e avaliar o desempenho operacional e financeiro da companhia.
“O programa também tem como um de seus objetivos principais, suportar as necessidades de projetos ligados à iniciativa Six Sigma, pois há mais de dois anos, essa abordagem está presente no DNA da empresa”, completa Gamero. Foram oito meses de trabalho, promovendo uma grande mudança de cultura na companhia. Hoje, cerca de 400 usuários acessam o MBI. “Com o grande apoio e suporte da área de finanças, desenvolvemos um forte treinamento junto aos funcionários para que eles confiassem na capacidade do software. Precisávamos mostrar que a utilização correta do sistema iria trazer benefícios a todos”, ressalta Ana Paula Minami, coordenadora técnica do projeto.
Além das mudanças culturais, a 3M vem registrando consideráveis ganhos de produtividade, a partir da “e-Productivity”, iniciativa interna de cálculo sobre os ganhos de produtividade. “Neste momento, já estamos trabalhando na segunda fase do programa, com quatro projetos, distribuídos entre as áreas de qualidade e logística, que deverão estar finalizados até o final deste ano de 2004”, conclui Gamero.