A aposta na bancarização

0
2



A Febraban – Federação Brasileira de Bancos vai promover o seminário Bancarização, no dia 11 de março, em São Paulo. O evento conta com a participação da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNB. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) será representada, no evento, pelo professor e pesquisador Eduardo Henrique Diniz. As palestras abordarão cases de bancarização latino-americanos e de grandes redes de varejo.

 

O motivo para a retomada dessa iniciativa como tema principal pode ser encontrado no crescimento das faixas brasileiras de menor poder de compra, mesmo no ambiente de crise econômica mundial. A Fundação Getulio Vargas (FGV), por exemplo, divulgou estudo concluindo que a crise não afetou tanto a chamada ‘classe C’. Segundo a pesquisa, a quantidade de brasileiros que fazem parte dessa nova classe média continua aumentando nas seis principais metrópoles do País – Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.

 

O estudo mostra que, em dezembro de 2008, a classe C passou a representar 53,8% da população. No mesmo período de 2007, esse porcentual era de 51,8%. O estudo também revela que 6,8% dos integrantes classe ‘D’ migraram para grupos mais altos. E na classe ‘E’, esse porcentual chegou a 8%.

 

A bancarização, o acesso a produtos e serviços bancários, um item da maior relevância na ascensão social das classes C, D e E, tem contribuído substancialmente com esse processo. Segundo estimativas da Federação Latino-Americana de Bancos (Felaban), o Brasil apresenta índice crescente nos últimos anos. O País fechou 2008 com um índice de 46%, ante 43% no ano anterior. De acordo com a Felaban, em toda a América Latina apenas 35% da população adulta tem acesso aos serviços bancários.

 

Serviço
Data: 11 de março
Horário: da 9h às 18h30
Local: Hotel Macksoud Plaza, na Alameda Campinas, 150 – São Paulo/SP
Informações pelo telefone (11) 3244-9860

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA surdez das empresas
Próximo artigoSaúde financeira não tem fórmula