A TI no mercado de finanças

0
2


A IDC Brasil acaba de concluir o estudo Brazil Competitive Analysis 2005 – Financial, em que aponta os principais fornecedores de TI para o setor de finanças. O relatório apresenta os resultados financeiros dessas empresas e descreve as estruturas, ofertas e estratégias para servir o mercado de bancos, seguradoras, empresas de cartão de crédito, financeiras, corretoras etc. Além disso, indica o Grid de Liderança com os fornecedores de tecnologia mais bem posicionados.

Em 2004, o segmento financeiro foi responsável por 21% da demanda de TI no País. “As empresas do setor são atendidas por milhares de fornecedores de tecnologia, desde fabricantes de equipamentos até empresas de consultoria de TI. Apesar desta abundância, o mercado é bastante concentrado, com 11 grandes fornecedores sendo responsáveis por aproximadamente 60% das vendas para o setor”, diz Mauro Peres, responsável na IDC Brasil por projetos de consultoria para o segmento de Finanças.

Os maiores fornecedores – No ranking das maiores, de acordo com Peres, há vários tipos de empresas, desde aquelas em que o core business é o segmento financeiro até as que não possuem soluções customizadas para o setor. O estudo aponta a IBM como o maior fornecedor de TI no Brasil em 2004 para o segmento financeiro. Em segundo lugar, a Procomp, em terceiro a Itautec.

De acordo com a análise, os três primeiros fornecedores do ranking possuem um forte componente de hardware em suas vendas para o setor financeiro. A IBM tem, neste setor, seus principais clientes na sua linha de mainframes. Já a Procomp e a Itautec dividem a liderança no mercado de automação bancária no Brasil. E como serviços têm crescido cada vez mais no portfólio de quase todos os fornecedores de TI, empresas que originalmente surgiram como fornecedores de hardware, como IBM, Unisys e Procomp, já conseguem gerar mais receita oriunda de serviços para o setor que de hardware.

Entretanto, a maior parte dos serviços contratados pelos bancos ainda é de baixo valor agregado, como desenvolvimento de sistemas e, principalmente, bodyshop. “Mas, este setor, que tradicionalmente sempre ofereceu uma forte resistência a fazer terceirização de maior abrangência da área de TI, aos poucos vem mudando, liderado por empresas multinacionais. Dois exemplos são o BankBoston e o ABN, que estão terceirizando uma parcela significativa das suas operações de TI”, esclarece Peres.

Quem é o cliente – “Conhecer profundamente o setor financeiro ainda é um diferencial competitivo no mercado”, diz Peres, que acrescenta ainda que a maioria dos grandes fornecedores de TI já está se estruturando por verticais e contratando profissionais que conhecem o setor. As empresas que desejam ter sucesso nesse segmento terão que ir além e passar a conhecer profundamente os clientes”.

Apesar de ter processos em comum, cada empresa financeira é bastante diferente da outra, cada uma com necessidades específicas. Muitos bancos reclamam que os fornecedores oferecem soluções para problemas que realmente existem no setor financeiro, porém chegam com um discurso pronto, sem conhecer a realidade do banco e o momento que ele está vivendo.

Para Peres, os fornecedores de tecnologia que conquistarão o mercado financeiro terão que, além de conhecer muito bem o setor, conhecer profundamente os seus clientes e prospects. “Os fornecedores terão que estar muito próximos aos seus clientes e investir muito na formação de bases de informações que os ajudem a conhecer profundamente as empresas”.