Alta na inadimplência das empresas

0
4
A inadimplência das empresas aumentou 3,2% nos quatro primeiros meses deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado, segundo o Indicador Serasa de Inadimplência Pessoa Jurídica, índice que contempla os registros de cheques devolvidos, títulos protestados e dívidas vencidas com instituições financeiras. Em abril de 2007, também houve alta na inadimplência das pessoas jurídicas, na comparação com abril do ano passado. O aumento no período foi de 5,4%.Na relação mensal (abril deste ano com março), entretanto, houve uma queda de 13,4% na inadimplência das empresas, apontou o indicador da Serasa.
A primeira posição do ranking de representatividade da inadimplência das pessoas jurídicas ficou novamente com os títulos protestados, que tiveram um peso de 39,7% no indicador, no acumulado dos quatro meses de 2007. A participação, porém, é inferior a registrada no mesmo período de 2006, que foi de 40,5%. Os cheques sem fundos ficaram com o segundo lugar na representatividade da inadimplência das empresas, no primeiro quadrimestre de 2007, com um peso de 38,7% no indicador. Nos quatro primeiros meses de 2006, o peso dos cheques sem fundos na inadimplência das pessoas jurídicas era maior, de 39,6%.
As dívidas com os bancos representaram a terceira posição no ranking da inadimplência das empresas, com uma participação de 21,6%, de janeiro a abril deste ano. Mas, vale ressaltar que o peso das dívidas com os bancos vem crescendo. No primeiro quadrimestre de 2006, essa modalidade representava 19,8% da inadimplência das empresas.
O valor médio das dívidas com os bancos foi de R$ 4.054,57 nos quatro primeiros meses de 2007. Houve um crescimento de 19,2% no valor médio das dívidas com as instituições financeiras em relação ao mesmo período de 2006. Já o valor médio das anotações de títulos protestados das pessoas jurídicas ficou em R$ 1.427,26, o que representou uma alta de 4,4% em comparação aos quatro primeiros meses do ano passado. Também foi registrado um recuo de 10,9% no valor médio dos registros de cheques sem fundos no primeiro quadrimestre deste ano frente ao mesmo período do ano passado. O valor médio desses registros, de janeiro a abril deste ano, foi de R$ 1.132,39.