BI: o que pequenas e médias empresas não sabem

0
1



Autor: Luiz Camara


Os dados de qualquer companhia guardam uma grande quantidade de informações estratégicas que, segundo os analistas, ou ainda não são de conhecimento de pequenas e médias empresas, ou então não são exploradas por elas. As respostas para muitos dos problemas enfrentados por companhias desse porte, assim como o que pode levá-las ao sucesso, estão escondidas em processos simples do dia-a-dia, como pedidos dos clientes, pagamentos ou envios de mercadorias realizados no último ano.

 

É nesse contexto que soluções de BI (Business Intelligence) podem organizar e classificar dados transacionais e históricos, ajudando as empresas a entenderem melhor as necessidades de seus clientes, tornando-se mais competitivas e prósperas. Muitas companhias de pequeno e médio porte já estão começando a descobrir ferramentas de BI e o valor das informações que se pode obter por meio delas, indo muito além das planilhas de Excel.

 

Os fornecedores de BI já estão atentos a esse movimento de mercado potencial que pode ser conquistado, desenhando soluções específicas para esse segmento sobretudo no que se refere à questão de custos. Construir um grande data warehouse ou investir em um projeto de ampla dimensão não é mais necessário. Abaixo estão alguns itens que pequenas e médias precisam saber sobre BI.

 

– Nem todos os projetos de BI começam com um investimento elevado.

Muitos executivos de companhias pequenas acreditam que não têm orçamento suficiente para investir em aplicações de BI e que as planilhas Excel são a única opção. Fornecedores de TI, no entanto, começam a oferecer servidores com boa relação custo/benefício já pré-configurados com software de BI, especialmente para atender às necessidades das pequenas e médias companhias. Servidores plug-and-go permitem que empresas desse porte integrem fontes de dados por meio da rede dentro de aplicações de BI. O servidor plug-in minimiza a necessidade por recursos de TI, acelerando a entrega de soluções e reduzindo custos de manutenção.

 

– Data warehouses não são essenciais para elaborar um projeto bem sucedido de BI.

Recursos limitados de TI para construir um data warehouse e apresentar um software de BI geralmente fazem com que empresas menores desistam da idéia de implementar um sistema. Enquanto que nas grandes empresas ambos os projetos costumam começar simultaneamente, nas pequenas e médias isso não é necessário. Considerando que sistemas transacionais não contêm fatos históricos, data warehouses se fazem necessários somente para analisar informações passadas e estimar tendências futuras. Empresas menores podem começar usando software de BI e ir construindo Data Marts progressivamente, à medida que o projeto amadurece.

 

– Pequenas e médias empresas podem tirar mais proveito das informações coletadas que as grandes.

Empresas bilionárias analisam somente cerca de 20% dos dados que coletam e armazenam. Empresas de pequeno e médio porte comprovadamente conseguem atingir um percentual bastante superior, uma vez que a complexidade e quantidade de seus dados também são menores, fazendo com que um projeto de BI leve a resultados concretos em menos tempo.

 

– Projetos de BI podem gerar receita.

Aplicações de BI dão às companhias a opção de construir relatórios diversos e vender essa informação a parceiros de negócios ou mesmo clientes. Uma companhia de cartão de crédito que processe transações para lojas de varejo, por exemplo, pode consolidar relatórios sobre hábitos de compras dos clientes e revende-los para essas lojas. Uma companhia especializada em contratações de trabalho temporário para outras empresas também pode obter receita por meio de um projeto de BI ao elaborar e vender para seus clientes relatórios que comparem o custo de manter equipes temporárias e fixas em determinados departamentos. Os exemplos nesse caso são os mais variados possíveis.

 

Luiz Camara é presidente da InfoBuild Brasil.