Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Brasileiro amplia uso de pagamentos digitais

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Marcelo Góes, head de soluções e produtos da FIS para América Latina

O brasileiro tem aderido cada vez mais ao uso de pagamentos digitais. O estudo “Pace Pulse”, realizado pela FIS em parceria com a Ipsos, mostra o crescimento de diferentes métodos tecnológicos na hora de o consumidor efetuar sua compra. Em 2021, um grupo de 52% dos entrevistados afirmou ter utilizado pagamentos on-line, 49% adquiriu produtos e serviços por meio de aplicativos e 40% optou por pagamentos sem contato. Todos os percentuais subiram se comparado ao levantamento anterior. A pesquisa observou ainda a aceitação da população a outros meios de pagamentos como QR Codes (31%) e Buy Now Pay Later, ou simplesmente BNPL, (13%).

A mudança de hábitos do consumidor é um reflexo da disponibilidade de novas ferramentas e inovações tecnológicas do setor financeiro. A chegada do Pix, pagamento instantâneo criado pelo Banco Central, é um exemplo das facilidades que têm influenciado a escolha do brasileiro. Segundo dados da autoridade monetária, o volume financeiro de transações via Pix registrado no Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI) foi de R$ 622,4 milhões em dezembro de 2021. O crescimento foi 451%, se comparado a janeiro do mesmo ano, quando a movimentação chegou a R$ 137,9 milhões. O número de pessoas físicas e jurídicas cadastradas também subiu de forma expressiva. Eram 65,4 milhões de usuários em janeiro de 2021 e fechou o ano com 117,7 milhões de cadastrados, representando 79,8% de novos usuários no sistema do Banco Central.

Segundo Marcelo Góes, head de soluções e produtos da FIS para América Latina, essa tendência veio para ficar. “O brasileiro é naturalmente um público que adota tecnologias com agilidade. Para os meios de pagamento, acontece o mesmo, assim como podemos ver na adesão ao Pix. Por um histórico de segurança, os consumidores já estão acostumados com pagamentos sem o uso do dinheiro físico. O “Pace Pulse” mostrou que 47% dos brasileiros afirmam ter reduzido a utilização do dinheiro em espécie em 2021”.

Dados geracionais
O estudo também analisou o comportamento do consumidor brasileiro por gerações. Em 2021, todas as faixas etárias tiveram significativa adesão por pagamentos via aplicativos e sem contato. Pessoas entre 18 e 40 anos são as mais aderentes às compras por aplicativos, sendo o método preferido por 61% dos young millennials (de 25 a 29 anos), 57% da geração Z (de 18 a 24 anos) e 51% dos sêniores millennials (de 30 a 40). Embora em menor proporção, os consumidores das gerações X (41 a 55 anos) e baby boomers (acima dos 55 anos) afirmaram pagar suas compras via app, sendo 45% e 34%, respectivamente. 

Também aumentou a preferência por pagamentos contactless, aqueles feitos por aproximação, sendo mais representativo o uso entre os young millennials, com 49%, seguidos das gerações Z (43%) senior millennials (42%), X (39%) e baby boomers (28%). Para Góes, a tendência de crescimento dos pagamentos digitais no Brasil evidencia que “o consumidor de hoje se preocupa com a conveniência, agilidade e segurança. A tecnologia e a inovação financeira, como mostra o levantamento deste ano, vem ofertando exatamente isso”.

O estudo é realizado há seis anos em países como Reino Unido, Estados Unidos, Índia, e há dois anos no Brasil, e traz uma fotografia real do mercado quando se fala em comportamento do consumidor e a sua relação com as instituições financeiras, novos métodos de pagamentos. Além dos impactos causados pela pandemia e alguns insights daquilo que deve se consolidar no pós-pandemia. A pesquisa ouviu cerca de 2.000 adultos brasileiros de cinco diferentes gerações, entre 18 e 74 anos de idade, e traz um comparativo de comportamento do consumidor brasileiro em dois momentos: outubro de 2020 e agosto de 2021.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima