Cai o otimismo do consumidor

0
0

O ICC (Índice de Confiança do Consumidor), calculado pela Fecomercio (Federação do Comercio do Estado de São Paulo), na região metropolitana da Capital, apresentou queda de 3% em abril, atingindo 141,9 pontos. É a segunda retração consecutiva neste ano e bem mais significativa do que a ocorrida em março, quando o indicador caiu 0,6%, ficando em 146,4 pontos, numa escala que varia de 0 a 200 e que mostra pessimismo abaixo de 100 e otimismo acima deste patamar.


Os resultados refletem menor entusiasmo da população tanto em relação ao presente como ao futuro. O índice das condições econômicas atuais (um dos componentes do ICC) teve variação negativa de 4,1% em abril, atingindo 121,4 pontos. Já o índice das expectativas do consumidor registrou redução de 2,4%, alcançando 155,6 pontos.


Na avaliação da assessoria econômica da Fecomercio, o índice vinha sendo sustentado por expectativas quanto à melhoria dos indicadores de renda e emprego. Neste mês, os resultados indicam uma redução destas perspectivas que, até o momento, só apresentaram sinais tímidos de recuperação. Além disso, os consumidores manifestam uma preocupação maior com o fato de que as sucessivas elevações da Selic e os recentes repiques inflacionários venham a afetar ainda mais sua renda e, conseqüentemente, sua capacidade de honrar os compromissos financeiros.


A diminuição do otimismo, já registrada nas classes com renda abaixo de dez salários mínimos em março, chegou agora também àquelas com ganhos superiores a esse valor. Esse grupo, que vinha contribuindo de forma significativa para a elevação do ICC, apresentou uma queda de 5,7% em abril (a maior dentre os pesquisados), registrando 160,8 pontos. Em relação ao presente, a confiança destes consumidores teve redução de 5,9% (148,1 pontos) e, quanto ao futuro, de 5,6% (169,4 pontos). Em março, a expectativa geral do grupo era positiva, com alta de 4,6%.


Entre os consumidores com renda inferior a 10 salários mínimos, o índice ficou praticamente estável, com uma variação negativa de 0,1% (132,7 pontos). Houve uma pequena recuperação de 0,3% no otimismo em relação ao futuro (148,9 pontos) e queda de 0,9% no que diz respeito ao presente (108,5 pontos).


Para a assessoria econômica da Fecomercio, o comportamento do ICC, daqui para frente, vai depender da capacidade da política econômica em gerar resultados mais concretos para o consumidor. Há uma expectativa também de que, com o aumento do salário mínimo, ocorra uma melhoria momentânea no otimismo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNa prática
Próximo artigoAltitude participa de congresso andino