Compras controladas!

0
3
O índice de consumidores que pretendem efetuar uma compra no último trimestre de 2013, o que inclui Dia das Crianças e Natal, é o mais baixo desde 2006, segundo pesquisa realizada pelo Programa de Administração do Varejo, Provar, da Fundação Instituto de Administração, Fia, em parceria com a Felisoni Consultores Associados. Apenas 46,8% dos paulistanos deverão adquirir um bem durável entre os meses de outubro e dezembro deste ano, indicador 3,6 p.p menor ao registrado no terceiro trimestre, em que se verificou 50,4%. Já na comparação com o quarto trimestre do ano passado, o índice apresenta queda de 9,2 p.p., pois foi registrado percentual de 56%. 
A amostra, feita com 500 consumidores da cidade de São Paulo, analisa a intenção de compra e de gasto em relação a diversas categorias de produtos (“Eletroeletrônicos”, “Informática”, “Cama, mesa e banho”, “Cine e Foto, Móveis”, “Telefonia e Celulares”, “Material de Construção”, “Linha branca”, “Vestuário e Calçados”, “Automóveis e Motos”, “Imóveis”, “Eletroportáteis” e “Viagens e Turismo”), avaliando também a utilização de crédito nas compras de bens duráveis.
Dentre as categorias analisadas, o item “Vestuário e Calçados” desponta como o de maior intenção de compra, com 24%, seguido por “Viagens e Turismo” (12,6%) e “Linha branca” (8%). 
Segundo Claudio Felisoni de Angelo, presidente do Conselho do Provar/Fia, diversos aspectos reduzirão as vendas de final de ano. “Trata-se de um conjunto de fatores combinados: a massa real de salários, o volume de crédito no mercado, a taxa de juros, inflação, o comprometimento de renda e a inadimplência têm afetado muito o ânimo de compra. Assim, a tendência é de forte desaceleração do consumo, mesmo com os incentivos de final de ano como datas sazonais e o pagamento do 13º salário”, argumenta o especialista. 
Como resultado desta segunda queda consecutiva de intenção de compras, associada a um ano muito abaixo dos padrões de venda de 2011, prevê-se que o varejo feche o ano com um crescimento de apenas 4% nas vendas, índice 3,8 p.p menor que em 2012, quando se registrou crescimento de 7,8%.
Compras on-line
Na internet, o índice de consumo mantém a recuperação do terceiro trimestre (em que registrou 89,9%) e, nos últimos três meses do ano apresenta alta de 0,4%, ficando em um patamar de 90,3%.
            
Dentre as categorias com maior interesse de compra estão “Telefonia e celulares” (32%), “Informática” (30,7%) e “Eletroeletrônicos” (29,4%). Por conta das sazonalidades de Dia das Crianças e Natal, a categoria de “Brinquedos” (12,5%) apresenta alta de 5% em relação ao ano anterior, em que se registrou 11,9%, e de 3,3% em relação ao terceiro trimestre, quando foi identificado o patamar de 12,1%.
Ainda de acordo com a pesquisa, os dados registrados evidenciam o aumento da preocupação do consumidor em relação aos seus gastos. No quarto trimestre, a projeção da inadimplência apresenta uma pequena melhora em relação à média dos nove meses do ano, com 6,59%, 6,36% e 6,12% para os meses de outubro, novembro e dezembro, respectivamente. Esses percentuais apresentam-se abaixo da média de 7,8% ocorrida em 2012.
Já na análise de comprometimento de renda das famílias, verificou-se que estão aumentando cada vez mais os gastos com Crediário (21,5%), o que hoje representa no orçamento familiar o segundo maior gasto, perdendo somente para os custos com Educação (22%). Também está sobrando menos no bolso do paulistano para novas despesas, somente 7,3%, 1 p.p menor que na última pesquisa, em que se contabilizou 8,3% da renda para novos gastos. Outros fatores que mais contribuem para o aumento de despesas são Alimentação (19,6%) e Habitação (13,7%). 
Também consta no estudo que a intenção de compra de imóveis nestes meses do ano é a menor registrada. Somente 2% dos entrevistados informaram que pretendem adquirir este tipo de bem, contudo o valor médio gasto pelo paulistano para a compra é o maior já registrado: R$ 162.000,00.
Quanto à consciência financeira do consumidor, um indicador de observância de orçamento construído com base nos percentuais dos indivíduos de pouparam e que pretendem poupar fornece evidência de maior cautela no cumprimento do orçamento doméstico.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAtendentes cantores
Próximo artigoDicico lança novo site