Consumo deve crescer 10% em 2013

0
2
O consumo no Brasil deve crescer 10% em 2013 na comparação com o ano passado, atingindo R$ 1,55 trilhão. Esse valor equivale a 34% do Produto Interno Bruto, PIB, do país, de acordo com estimativas do Pyxis Consumo, ferramenta de dimensionamento de mercado do IBOPE Inteligência. As estatísticas mostram, ainda, que as famílias brasileiras gastam a maior parte de sua renda com automóvel particular. Os gastos com aquisição de veículos, manutenção, taxas, seguro e combustível vão somar R$ 278 bilhões neste ano, o que representa 18% da demanda total de consumo disponível no país.
A classe B é a principal consumidora desses produtos, responsável por pouco mais da metade de toda a demanda: R$ 143 bilhões. A outra parcela é composta, em sua maioria, pelas classes C e A, com 24% e 22%, respectivamente. As classes D e E ainda têm uma participação pequena no consumo desses produtos. Juntas as duas classes representam apenas 3% do total.
O segundo grupo de produtos com maior participação no bolso da população brasileira é alimentação no domicílio. Serão gastos com esses produtos R$ 250 bilhões, o que equivale a 16% do total estimado para o país. Entretanto, quando considerada também a alimentação fora do domicílio, observa-se que somente com refeições o brasileiro irá gastar R$ 378 bilhões. 
Em terceiro lugar estão as despesas com vestuário, que representam R$ 128 bilhões ou 8% de todo o potencial de consumo projetado para este ano. O gasto com esses produtos é realizado principalmente pelas classes C e B, que juntas são responsáveis por 80% do consumo total (R$ 52 bilhões e R$ 51 bilhões, respectivamente). A classe A aparece na sequência com 12% da demanda (R$ 15 bilhões). Por fim, as classes D e E representam apenas 8% (R$ 10 bilhões) do consumo de roupas femininas, masculinas e infantis, além de roupa íntima feminina. 
Já com material de construção, serão desembolsados pelos brasileiros R$ 119 bilhões ou 8% do total do consumo estimado para o país. Os gastos com tintas e acessórios para pintura, material hidráulico, elétrico, além de ferragens, madeiras, pisos entre outros produtos para reforma e construção, são maiores na classe B, sendo ela responsável por absorver 41% de toda a demanda disponível em 2013.
 
De acordo com o Pyxis Consumo, os domicílios da classe C devem gastar R$ 44 bilhões, o equivalente a 37% do consumo desses produtos, enquanto a classe A será responsável por 17% e as classes D e C, 5%. “Os grupos com maior demanda de consumo no país são constituídos por produtos de gênero de primeira necessidade das famílias. Em geral, a família brasileira gasta a maior parte da renda com produtos essenciais, deixando em segundo plano o lazer, já que o consumo desses itens compromete grande parte da renda do domicílio”, diz Márcia Sola, diretora de geonegócios do IBOPE Inteligência.