Cresce mercado de cartões de crédito

0
1


O mercado de cartões de crédito deverá movimentar R$ 159,4 bilhões em 2006, crescimento 25% superior em relação ao ano anterior. Este volume de transações será realizado pelos 76,6 milhões de plásticos estimados para o final do período. Para atingir este volume, os dois últimos meses de 2006 contarão com crescimentos superiores a 25% sobre o mesmo período de 2005. Em novembro, o volume de transações será de R$ 14,5 bilhões, equivalente ao maior patamar atingido no ano anterior e com crescimento de 26,2%, enquanto dezembro contará com o maior volume de transações da história do mercado de cartões de crédito no Brasil, com R$ 18,1 bilhões (25,3% superior a dezembro/2005).

Os dados fazem parte do estudo “Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento”, realizado mensalmente pela área de cartões do Banco Itaú. Segundo Fernando Chacon, diretor de marketing de negócios do banco, “este é um crescimento notável, especialmente se considerarmos que ele vem na seqüência de outro ano com forte evolução”. Em 2005, o mercado já havia crescido 27,1% em volume de transações, se comparado ao ano passado, o maior crescimento do mercado desde 1996.

A adequação de gastos e a combinação de prazos e parcelas para pagamentos de compras são os principais atrativos do cartão de crédito, como indica o estudo. “Esse diferencial, entre outros fatores, é resultado de uma maior difusão do serviço pelos lojistas, além de ser um excelente instrumento do acesso ao consumo”, diz Fernando.

A pesquisa revela que, independente do número de cartões possuídos, os atributos mais valorizados são o controle de gastos e pagamentos (citado por aproximadamente 65% dos entrevistados) e a adequação dos limites de crédito (com cerca de 25% das menções). “Não é à toa que a pesquisa aponta alto grau de fidelização nesse segmento: 82% dos portadores manifestam intenção de renovar o cartão de crédito”, afirma Fernando Chacon.

Vedetes das compras a prazo – Quando o assunto é compra a prazo, 79% do total dos possuidores dizem utilizar o cartão de crédito como meio de pagamento, 31% utilizam os private label e 24% os cartões múltiplos. Dentre todas as compras, os ramos de atividade em que o cartão de crédito é mais utilizado são passagens áreas e materiais de decoração e construção, nos quais o plástico é utilizado em 59% das transações. A utilização do cartão também é maior que o dinheiro nas compra de roupas, calçados e acessórios afins, com 58%.

A pesquisa aponta ainda que o cartão de crédito é o segundo meio mais utilizado pelos portadores dos plásticos, responsável por 35% dos pagamentos, atrás apenas do dinheiro vivo, que representa 42% das compras. Os cartões de crédito superam outros instrumentos menos representativos como os cartões de débito e cheques, responsáveis por apenas 7% e 2% dos pagamentos, respectivamente.

Financiamento – O cartão de crédito é o principal instrumento de financiamento entre os portadores, sendo responsável por 69% do total, superando a preferência dos portadores pelo carnê, cheque especial, crédito pessoal, crédito consignado e crédito imobiliário. Do total de financiamentos, 59% corresponde ao parcelamento sem juros.

O estudo também relaciona a penetração dos cartões de crédito por faixas de renda e confirma que quanto maior a renda, também maior a penetração de cartões. Enquanto 80% do público com renda mensal igual ou superior a R$ 6 mil possui cartões, estes também estão presentes de maneira crescente nas camadas de renda inferior. Entre a população com rendimento mensal de R$ 151 a R$ 299, 20% possui cartões, dos que ganham de R$ 300 a 499, a penetração é de 25% e 34% do público que recebe entre R$ 500 e R$ 999 tem cartões de crédito.

A posse de cartões de crédito por apenas 33% da população com 18 anos ou mais, urbana e com renda superior a R$ 151 mostra grande potencial para a expansão dos cartões de crédito. Na distribuição por regiões, a pesquisa indica que as regiões Norte, Nordeste e Sul do País são ainda menos exploradas que Sudeste e Centro Oeste. Estes e demais dados foram abordados no estudo que tem como objetivo mapear o perfil dos portadores de cartão de crédito.