Crimes digitais ameaçam e-commerce no Natal

0
1


As vendas do comércio eletrônico brasileiro deverão bater recorde neste Natal. De acordo com os números divulgados pela empresa de marketing on-line E-bit, entre os dias 15 de novembro e 23 de dezembro devem ser movimentados cerca de R$ 755 milhões no e-commerce, o que representa um aumento de 64% em relação ao ano passado, quando os brasileiros gastaram R$ 458 milhões durante o período.

Embora favorável, os números também são motivo de preocupação aos consumidores virtuais, varejistas, operadoras de cartões de crédito e bancos. Pois durante o período crescem as ocorrências de invasões realizadas pelos hackers, ou seja, os prejuízos causados por quebra dos sistemas de segurança, invasão de banco de dados e disseminação de vírus, páginas na web criadas para enganar e roubar informações dos internautas. Segundo o Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (Cert.br), as fraudes financeiras na Internet em 2005 cresceram 579% em relação ao ano anterior.

Fora isso, de acordo com a Febraban, no ano passado os bancos sofreram um prejuízo de 300 milhões de reais, por meio de fraudes digitais. “”É justamente neste período que os invasores aproveitam da movimentação no comércio eletrônico para confundir o e-consumidor e roubar os dados confidenciais como números de documentos, cartões de crédito e senhas. Com as informações em mãos, assumem a identidade digital do internauta e realizam inúmeras compras on-line e operações bancárias em nome da pessoa lesada”, afirma o diretor executivo da OS&T Informática e especialista em fraudes digitais, Sérgio Leandro.

Para evitar esse tipo de acontecimento, tanto aos consumidores virtuais, quanto às empresas que oferecem serviços on-line é preciso redobrar os cuidados durante o período de final de ano. No caso das organizações, além dos prejuízos, as fraudes podem comprometer sua imagem perante o mercado. Segundo pesquisa recente realizada nos Estados Unidos com mil vítimas de fraudes digitais, 20% disseram que já romperam a relação com empresas que mantinham os seus dados, enquanto 40% afirmaram que a atitude está em seus planos. Outros 5% dos entrevistados entraram na justiça contra as empresas por expor seus dados pessoais.

De acordo com o especialista em segurança digital, Sérgio Leandro, ao realizar uma transação on-line os internautas devem voltar à atenção a alguns detalhes. Principalmente neste período em que a tendência é de que o acesso as páginas estejam mais congestionados e os invasores se aproveitem da situação para induzir os internautas a páginas ‘clones’ e seduzi-los com e-mails anunciando falsas promoções por meio de links maliciosos que servem como porta de entrada para os hackers no computador da vítima.

Medidas de acordo com o especialista, para evitar as invasões:

– Nunca responda a e-mails que solicitem informações pessoais;

– Não clique em links suspeitos, como por exemplo, os que acompanham os e-mails que oferecem promoções inacreditáveis;

– Use senhas de alto nível e altere-as com freqüência. O ideal é que as senhas tenham letras e números, o que dificulta a ação dos invasores;

– Não envie informações pessoais por e-mails comuns;

– Faça negócios apenas com as empresas que você conhece e confia;

– Ao realizar uma compra pela Internet ou acessar serviços bancários verifique se o endereço da página está correto observando o endereço real no canto inferior esquerdo do browser e se as informações estão asseguradas, devendo aparecer um pequeno cadeado no canto inferior direto;

– Procure usar cartões de crédito ao invés de débito para as transações na Internet.