De volta ao mercado

0
2



O consumidor passou a ficar mais confiante com a economia brasileira, é o que indica o Índice Nacional de Confiança ACSP/Ipsos de agosto (2009). O estudo registrou 129 pontos na média de todas as regiões, contra 126 em julho (2009), e 139 pontos em agosto de 2008. “Felizmente as nossas previsões otimistas foram confirmadas pela pesquisa e pelos fatos. Portanto, para nós empreendedores é  um momento de reflexão, otimismo, e estímulo para continuarmos lutando para que a crise se torne, efetivamente, coisa do passado, sem deixar saudades”, comemora Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo.

 

A região nordeste se recupera crescendo oito pontos em agosto (mais do que a média do Brasil) com 109 pontos em agosto, contra 101 em julho, embora ainda seja a menos otimista. Já a região sul passou a liderar entre as mais otimistas, com 138 pontos em agosto, vindo logo em seguida a norte-centro oeste com 137 pontos e sudeste com 136 pontos.

 

Entre as classes sociais, a C continua a mais otimista com 137 pontos (132 em julho), seguidas pelas classes D/E, com 125 pontos, enquanto a classe A/B é a menos otimista com 118 pontos, tendo uma queda de nove pontos.

 

E quando o assunto é emprego, o número de consumidores que se sentem mais seguros continua liderando, agosto de 2009, com 36% dos entrevistados, contra 31% que se dizem menos seguros, ou menos confiantes. Além disso, o número de pessoas conhecidas dos entrevistados  que perdeu o emprego que estava estável em 4,5 em julho, em agosto, caiu 4,4, mas ainda é superior aos 3,7 de igual período em 2008.

 

Quanto ao futuro, as chances de perder o emprego nos próximos seis meses são grandes para apenas 20%  e pequenas para 33% dos entrevistados. Ou seja, o consumidor vai reforçando a percepção de quem não perdeu o emprego até agora, não vai perdê-lo nos próximos seis meses. Isso indica a possibilidade de volta do consumidor ao mercado de compras a prazo, com 41% dos entrevistados mais favoráveis a essas compras, contra 37% menos favoráveis.