Estudo revela mercado de marketing direto

0
0


A Associação Brasileira de Marketing Direto (Abemd), com o apoio dos Correios, tem pela primeira vez um grande panorama do mercado brasileiro de Marketing Direto. Esse amplo estudo, que levou 3 anos entre discussões e levantamentos, foi realizado pela Simonsen Associados e traduz a importância desse setor da economia brasileira. “Desde que assumi a presidência da Abemd tenho me defrontado com a necessidade de ter números reais do setor. Mas já tinha certeza da sua grandeza. Do enorme negócio que o marketing direto significa nos dias de hoje”, conta Efraim Kapulski, presidente da associação.

O número que mais impressiona nesse amplo estudo é o tamanho da receita gerada pelo marketing direto, considerando apenas a prestação de serviços. No ano de 2005 foi de 12 bilhões e 800 milhões de reais, o equivalente a 0,71% do PIB brasileiro. “A publicidade brasileira, uma das mais premiadas do mundo, gera 1% do PIB, ou seja, 15 bilhões de reais, só esta comparação mostra como esse setor da economia é importante”, conta Antonio Cordeiro da Simonsen Associados.

Outra revelação importante está ligada ao crescimento, O estudo mostra que nos últimos cinco anos, o marketing direto tem tido um crescimento médio de 11,3% ao ano. Um resultado muito maior que outros setores. Sem considerar vendas e prestação de serviços de Internet e E-commerce, hoje são 4.500 empresas que estão ligadas ao marketing direto, gerando 870 mil empregos diretos.

“Em nosso levantamento encontramos oito tipos de empresas e prestadores de serviços cujas atividades estão relacionadas com o marketing direto”, conta Cordeiro. São elas empresas de call center/contact center/telemarketing; agências de marketing direto, empresas de database e CRM, empresas de impressão para marketing direto (gráficas), fornecedores de listas, Internet e E-commerce, distribuição e logística e empresas de tecnologia. Na outra ponta, as Instituições Financeiras são as maiores usuárias do marketing direto, seguidas das empresas de Telecomunicações/Utilidades, depois das Publicações e Assinaturas, Comércio em Geral e Catálogos, Indústria Automobilística, Fundações/Raising/Religiosos e outros.

O levantamento é o resultado de 282 entrevistas e consultas a várias entidades, entre empresas que fornecem marketing direto e as usuárias desse instrumento e ainda formadores de opinião ligados ao setor.