Falar e ser ouvido

0
1
Neste momento de big data, as informações são trocadas constantemente e a uma velocidade frenética. Da mesma forma como as empresas recebem dados frequentemente dos seus clientes, elas também fornecem conteúdo às pessoas. Porém, mais importante do que a troca de informações, é preciso que as empresas saibam que isso não basta. É preciso que elas se comuniquem com os consumidores, pois em um mercado tão saturado, se uma não fizer o contato de forma efetiva, outra irá fazer. Hoje em dia, é cada vez maior a necessidade de conseguir falar e de ser ouvido. E uma forma de conseguir dar e ter atenção no mundo dos negócios pode ser por meio do fornecimento de experiências positivas e marcantes aos clientes.
Para o vice president and managing director da Bacardi Brasil, Fabio Di Giammarco, dar esses momentos ao público já deixou de ser uma escolha, é uma necessidade se a empresa deseja permanecer relevantes em meio ao mar de mensagens que as pessoas recebem. “A era da comunicação unilateral acabou décadas atrás, uma vez que o foco, hoje, são as conversas”, aponta. “As marcas precisam estar preparadas para ter conversas inteligentes com seus consumidores, selecionando tópicos que são importantes para eles e fornecendo um ponto de vista que seja ao mesmo tempo interessante e pertinente. Caso contrário, os consumidores não escutam a marca.”
Como fazer, então, para conseguir atrair o cliente? “Os clientes estão lá, sendo alvo de centenas de mensagens de diversas marcas todos os dias e seletivamente dando sua atenção àquelas marcas que conseguem se relacionar com eles”, afirma Giammarco. Então, uma opção é o brand experience, estratégia que justamente possibilita a chance de um relacionamento aprofundado com o consumidor. Por meio da criação de ações que fornecem experiências, a empresa consegue, entre outros pontos positivos, ter o sucesso no momento da compra. “A melhor forma de influenciar este ciclo é comprar repetidamente de marcas que oferecem uma experiência e conscientemente ignorar as demais.”
Por possuir uma variedade de clientes, que vai desde o supermercado, ao consumidor que pede uma bebida no bar, até o bartender, a Bacardi, pretendendo ouvir e ser ouvida, criou o Instituto de Coquetelaria Bacardi, ICB. Um espaço adaptado para que os bartenders discutam e compartilhem experiências, aprendam novos conteúdos e tornem-se profissionais melhores graças a uma série de programas de aprimoramento de suas habilidades. Qual é o ganho desse projeto? O VP responde: “ganhamos a boa vontade influente de um grupo de profissionais que estão em contato com as nossas marcas todos os dias. Ganhamos o respeito deles e sua aprovação. E ganhamos a oportunidade de conhecê-los pessoalmente, compreendendo melhor quais são suas necessidades e pontos de vista. E isso não tem preço!”
E foi exatamente após ouvir o seu cliente que a empresa idealizou o ICB. “Essa iniciativa específica veio depois de muitas interações com nossos ‘chefes’ bartenders e da percepção de que eles careciam de um espaço onde pudessem compartilhar suas experiências uns com os outros e aprender habilidades adicionais para completar seus perfis.A necessidade estava lá; nós apenas precisamos escutar os bartenders. E assim fizemos!”

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorInício inesperado
Próximo artigoOportunidade de personificação