Falta conhecimento sobre a NF-e

0
1
A II Pesquisa do Cenário da Nota Fiscal Eletrônica no Brasil – Visão Empresarial, realizada pelo Conselho Privado da Nota Fiscal Eletrônica do Brasil (CONFeB) – uma iniciativa da Associação Brasileira de e-Business – revelou uma visão não muito otimista das empresas brasileiras sobre a implantação da Nota Fiscal Eletrônica. Finalizada em junho de 2007, a pesquisa entrevistou 75 empresas de grande e médio porte, das quais 72% apresentam faturamento anual superior a R$ 100 milhões.
Dentre os principais assuntos, a análise revelou que 48% dos entrevistados caracterizam insuficiente seu conhecimento em relação ao projeto NF-e. Apenas 12% acreditam ter um conhecimento mais avançado e 40% o consideram adequado. Questionados sobre as barreiras enxergadas na implantação da NF-e, 46,7% das empresas indicaram a falta de clareza do projeto como o principal fator. Outro item que mereceu atenção está relacionado à integração e mudança de processos internos, que correspondeu a 34,7% da opinião dos entrevistados.
A pesquisa também perguntou sobre o interesse em implantar a Nota Fiscal Eletrônica a curto e longo prazos. Dentre as opções, 48% das empresas responderam que irão implantar somente quando o uso for obrigatório, enquanto apenas 32% indicaram que há interesse em iniciar um projeto a partir de 2008. Cerca de 7% disseram que não têm interesse em desenvolver ações neste sentido.
Retorno dos investimentos – Uma das questões mais discutidas sobre a Nota Fiscal Eletrônica envolve a questão do retorno sobre os investimentos realizados. De acordo com a pesquisa, 44% das empresas acreditam que depois de implantado, o retorno poderá ser obtido entre dois a cinco anos e quase 11% ainda não conseguem enxergar nenhum tipo de retorno para seus negócios.
Segundo a análise, 47% das empresas que emitem mais de 10.000 notas fiscais por mês conseguem enxergar a redução dos custos de impressão e aquisição de papel como um grande benefício, enquanto apenas 8% das empresas que emitem menos de 1.000 notas fiscais visualizam desta forma.
Inseridas em um cenário onde a NF-e tem alcançado cada vez mais estados brasileiros, as empresas ainda resistem em priorizar estas iniciativas frente às outras atividades dentro das empresas. Segundo a pesquisa, 74,7% dos entrevistados ainda não iniciaram nenhum estudo para a implantação do processo.