O canal para quem respira cliente.

Honestidade e confiança acima de tudo

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



A IBM divulgou os números do estudo sobre confiança, transparência e tecnologia com foco no setor de Seguros. A pesquisa mostra como 4,4 mil consumidores em 11 países agem, avaliam e se comportam em relação a esse tipo de serviço. No Brasil, foram entrevistadas 422 pessoas. Os resultados no País apontaram que 76% dos entrevistados brasileiros vêem a honestidade e a confiança como características essenciais para a contratação de um serviço de seguro, sendo mais importantes que o preço e a inovação de produtos.

 

A pesquisa aponta também que só 44% dos brasileiros confiam nas seguradoras, demonstrando que os clientes ainda têm um certo receio e sentem falta de transparência na indústria. Dentro desse contexto, a figura do corretor de seguro ganha um destaque especial como ponto de contato e referência do consumidor em relação ao produto e à seguradora. “O brasileiro confia mais no corretor do que na empresa seguradora. Cerca de 40% dos entrevistados demonstraram insatisfação em relação às companhias, principalmente no tratamento dado no momento do sinistro. No geral, o brasileiro é avesso ao risco”, informa Roberto Ciccone, líder da área de consultoria para o setor de seguradoras da IBM Brasil.

 

Além disso, outro resultado da pesquisa mostra que é preciso ampliar a segmentação dos clientes para critérios além dos sócio-econômicos. Isso porque o brasileiro busca conveniência, preferindo produtos customizados, mesmo que tenha de pagar mais por eles. “As seguradoras precisam acompanhar o mercado de perto, prestando atenção aos valores e atitudes dos consumidores. Nesse sentido, a tecnologia se apresenta como importante aliada na construção dessa nova inteligência de negócio.”, completa Ciccone.

 

Outras atitudes mais evidentes nos brasileiros em relação a seguros são a boa aceitação para coberturas abrangentes (88%), a aprovação a ações de prevenção de acidentes (87%) e a visão positiva em centralizar os seguros em uma única companhia (85%).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima