Interbrand lança ranking de marcas verdes

0
6



A Interbrand, consultoria de marcas do mundo e autora do relatório anual de Melhores Marcas Internacionais, divulgou o relatório “Melhores Marcas Verdes Internacionais de 2012”. Toyota (1ª), Johnson & Johnson (2ª), e Honda (3ª) lideram a classificação com Danone (9ª), Ford (15ª), Starbucks (36ª) e UPS (43ª) representando os maiores do ano.

 

O relatório examina a diferença entre a prática ambiental corporativa e a percepção do consumidor sobre essas ações. Uma diferença positiva indica que o desempenho de sustentabilidade é maior na realidade do que na percepção dos consumidores, enquanto se for negativa indica que os consumidores entendem que uma marca é mais sustentável do que na realidade é.

 

À medida que as iniciativas com relação à sustentabilidade continuam ganhando relevância para os altos postos da corporação e para os consumidores, as companhias de todos os setores lutam para conseguir um saldo positivo entre construir um negócio verde e comunicar efetivamente as práticas de sustentabilidade para o mercado global, segundo a pesquisa. “Sustentabilidade provou ser um aspecto estratégico e lucrativo dos negócios e um recurso para o fortalecimento da marca”, diz Jez Frampton, CEO Internacional da Interbrand.  “É crucial que a impressão do consumidor sobre a marca esteja fortemente alinhada com o desempenho ambiental real da marca. De outra forma, os esforços da marca nessa área poderiam servir como um recurso subutilizado, ou, ao contrário, sofrer devido às acusações de ´lavagem verde´”.

 

É cada vez mais clara a visão de a sustentabilidade é algo que “deve-se ter” ao invés de “é bom ter” para muitas companhias, de acordo com David Pearson, líder de sustentabilidade internacional da Deloitte Touche Tohmatsu Limited. “É importante do ponto de vista de crescimento; é importante do ponto de vista de custo e margem de lucro; é importante quando se considera o valor da marca. Eliminar a diferença entre o desempenho e a percepção de mercado é muito importante para entrar e continuar no caminho da sustentabilidade”, conclui.