Lucratividade das fintechs pressiona bancos tradicionais

Estudo aponta um aumento de 9% na atividade de negócios em fintechs em estágio avançado de 2019 a 2020

0
46
Anirban Bose, CEO da Capgemini's Financial Services e membro do Conselho Executivo do Grupo
Anirban Bose, CEO da Capgemini's Financial Services e membro do Conselho Executivo do Grupo

As fintechs estão se aproximando de sua etapa de maturidade – a lucratividade. Foi o que demonstrou sua resiliência durante a pandemia da covid-19, com verticais registrando crescimento de dois dígitos, apesar dos desafios operacionais e financeiros de todo o setor. Em resposta à crescente popularidade dessas empresas entre os consumidores e à proximidade com os lucros, os bancos tradicionais estão criando entidades exclusivamente digitais para atrair segmentos de clientes específicos, de acordo com o World FinTech Report 2021, da Capgemini e da Efma.

De acordo com o estudo, mais da metade (51%) das fintechs esperam que suas reservas de capital sejam afetadas, já que os custos relacionados a equipes, integrações e armazenamento de dados aumentaram durante as quarentenas da pandemia. No entanto, apesar do ambiente volátil, o setor das fintechs relatou um crescimento de atividade de negócios de 11% no quarto trimestre de 2020, após 4 anos consecutivos de declínio. Essas organizações, com um portfólio de produtos diversificado, também estão ganhando o apoio dos investidores. À medida que amadurecem, elas provaram ser concorrentes e parceiros competentes. E o relatório rastreou um aumento de 9% na atividade de negócios em fintechs em estágio avançado de 2019 a 2020.

A adoção global de modelos digitais durante a pandemia também posicionou essas empresas para capturar participação de mercado, ao mesmo tempo em que gerou concorrência no setor e aumentou a pressão sobre os bancos tradicionais. Algo como 25% dos consumidores globais que estão em busca de entregas mais rápidas, serviços personalizados e conveniência dizem que experimentariam produtos bancários de empresas da nova era.

No entanto, embora os consumidores aceitem cada vez mais as fintechs, eles continuam a confiar nos bancos tradicionais e 68% dizem que tentariam uma oferta totalmente digital operada por seu banco principal. Mesmo assim, décadas de atualizações operacionais e tecnologias e modelos de negócios legados que se interligam apresentam desafios de transformação significativos para os operadores ja existentes. Além disso, as consequências secundárias da covid-19 ilustram que atrasar as ações não é mais uma opção.

“As jornadas digitais inspiradas nas fintechs precisam se tornar caminhos estratégicos cruciais para os bancos em todos os setores. No entanto, os players precisam ser perspicazes e específicos enquanto se movimentam. Não existe uma abordagem única para todos, e os bancos não podem criar todas as subsidiárias digitais igualmente,” comenta Anirban Bose, CEO da Capgemini’s Financial Services e membro do Conselho Executivo do Grupo.

“Os players capazes de alcançar crescimento e lucratividade de longo prazo hoje em dia serão as histórias de sucesso da era FinTech de amanhã.”

O potencial para envolvimento digital contínuo
Os titulares estão se preparando para alavancar seus pontos fortes (alcance global e confiança do cliente) enquanto tratam de seus pontos fracos (TI legada e experiência do cliente) para permanecerem relevantes no futuro. Colocar o usuário em primeiro lugar é a principal prioridade e, à medida que o setor evolui, os bancos precisam atender a mercados específicos e a demanda do consumidor local. Os bancos reconhecem o potencial do envolvimento digital contínuo. Dos executivos bancários que responderam a pesquisa, 63% disseram que uma subsidiária exclusivamente digital permite serviços bancários onipresentes, 50% disseram que leva novos produtos ao mercado mais rapidamente e 52% disseram que torna a colaboração com o ecossistema mais fácil graças à funcionalidade plug-and-play.

O relatório descreve três abordagens – Greenfield, Bluefield e Brownfield – para titulares que criam uma subsidiária exclusivamente digital e recomenda uma metodologia de campo correta, que define uma visão, desenvolve uma base sólida e impulsiona o crescimento de longo prazo por meio de uma cultura capacitadora. No entanto, mentalidades e modelos de negócios legados atrapalham a jornada bancária totalmente digital – incluindo a falta de suporte a longo prazo das empresas-mães 47%), relutância em apoiar a canibalização estratégica de curto prazo da base de clientes da empresa controladora (43%) e muito mais da metade (55%) lutando para lidar com as propostas fracas focadas apenas para o digital. À medida que as fintechs continuam a ganhar influência e participação de mercado, os bancos tradicionais devem desenvolver um modelo híbrido por meio da modernização dos bastidores de suas operações intermediárias e de back-office, criando várias entidades exclusivamente digitais para atender os segmentos específicos de clientes.

“O avanço da pandemia tornou o ambiente tradicional dos banco de varejo ainda mais exigente. Para que os incumbentes permaneçam relevantes, agora é a hora de incorporar finanças ao estilo de vida do cliente e adotar modelos baseados em plataforma – a procrastinação não é mais uma opção,” afirma o CEO da Efma, John Berry.

O relatório também fornece uma abordagem de quatro estágios para empresas FinTechs maduras que buscam crescimento e lucratividade de longo prazo. As fases incluem diversificação de produtos para atrair uma base de clientes mais ampla, orquestração de ecossistemas para criar novos pontos fortes, monetização de serviços, recursos ou dados – e expansão para novos mercados.

Consumidores expressam interesse em bancos verdes
Além do ímpeto da competição de mercado, as empresas estabelecidas também estão enfrentando crescente pressão social e regulatória para mudar para práticas verdes e sustentáveis. De acordo com a pesquisa Global Retail Banking Voice of the Customer de 2021, 65% dos consumidores globalmente desejam que os bancos reduzam sua pegada de carbono seguindo processos sem papel, consumindo energia renovável e oferecendo cartões biodegradáveis. Quase um terço das pessoas pagariam uma taxa adicional por produtos e serviços verdes – ou mudaria para um novo fornecedor de produtos ambientalmente e socialmente amigáveis. Por sua própria natureza, os bancos exclusivamente digitais estão bem posicionados para apoiar finanças sustentáveis – com processos sem papel e sem rede de agências.