McInternet oferece inclusão digital

0
4


A McInternet, uma parceria entre a HP, Banco Itaú e McDonald’s Brasil, superou a marca de 2,8 milhões de clientes cadastrados e 12 milhões de acessos realizados. O projeto já é realidade em mais de 460 restaurantes do McDonald’s e, nos próximos 12 meses, outros 40 pontos-de-venda passarão a prestar o serviço. “A McInternet se tornou sinônimo de acesso à rede mundial de computadores no País”, afirma Carlos Ribeiro, presidente da HP Brasil.

O levantamento da base de 2,8 milhões de clientes cadastrados na McInternet mostra que cerca de 18% tiveram seu primeiro contato com computadores nos restaurantes McDonald’s. Entre esses usuários que estão acessando a Internet pela primeira vez, 30% utilizaram os cursos oferecidos pela própria McInternet, os tutoriais – sobre computadores, e-mail e Internet – elaborados especialmente para apresentar as tecnologias do mundo digital aos principiantes. “Estes números comprovam que a McInternet está contribuindo para elevar os índices de inclusão digital no País”, diz Jaime Chaves, diretor de Marketing Estratégico do Itaú.

Além dos benefícios e da prestação de serviços para os clientes da rede, os funcionários do McDonald´s também estão utilizando os recursos da McInternet para seu aperfeiçoamento profissional. Desde agosto, está sendo ministrado o Curso Básico de Gestão de Varejo, desenvolvido pela Universidade do Hambúrguer (UH) em parceria com o Senac de São Paulo (NEAD – Núcleo de Educação à Distância). A programação é voltada para 150 gerentes de restaurantes do Estado de São Paulo, incluindo conceitos de Marketing, Finanças e Recursos Humanos. “Com a McInternet, cobrindo todo o País, temos condições de ampliar nossa contribuição para a inclusão digital e capacitação dos nossos funcionários”, ressalta Flávia Vigio, diretora de Comunicação do McDonald’s Brasil.

A diretora de Comunicação do McDonald’s, Flávia Vígio, enfatiza que o projeto da McInternet servirá como referência mundial para a empresa, nos 119 países onde a rede atua. “A tendência é de que ele seja ´exportado´, a exemplo do que ocorreu com os quiosques de sobremesas, uma iniciativa 100% brasileira”, diz.