O canal para quem respira cliente.

Metade das transações mobile é via app

Os aplicativos, no segundo trimestre desse ano, foram os principais responsáveis pelas compras mobile no Brasil. Por possuírem uma performance melhor de marketing digital do que outros canais, incluindo desktop, eles foram responsáveis por quase 50% das transações móveis. Baseada em dados de 1,4 bilhões de transações online que movimentaram US$ 160 bilhões de vendas mundiais no período, a Criteo, que realizou o estudo, revela que mais de 13% do comércio eletrônico brasileiro foi feito por meio de dispositivos móveis no segundo trimestre. O resultado é ainda melhor para os principais varejistas online, que conseguiram uma média de 25% de suas compras feitas por meio de smartphones ou tablets.
Uma em cada cinco transações das categorias de “Home” e “Saúde e Beleza” agora são feitas  via mobile. Já as categorias de “Esportes” e “Moda e Luxo” têm apresentado um crescimento consistente, principalmente em relação aos smartphones. Quanto aos sistemas operacionais, no Brasil, ao contrário do que acontece nos Estados Unidos, quem continua ganhando espaço nos smartphones é o Android, com 25,9%. Uma informação importante aos varejistas que estão optando por priorizar os aplicativos e colocando-os como uma peça chave para incrementar a receita. Para os que já aderiram a essa tecnologia, os apps geraram aproximadamente 47% de toda a receita mobile. Aliás, eles são mais significativos na hora de fazer reservas de última hora no setor de turismo. Cerca de 42% das transações com esta característica vieram por meio de apps.
 
As altas taxas de conversão por meio dos aplicativos indicam que a experiência do usuário é melhor do que nos desktops e browsers. Isso também é um reflexo do fato de os apps, em sua maioria, serem utilizados por consumidores leais. No varejo, por exemplo, os comerciantes que optaram por oferecer a opção de aplicativo, tiveram uma taxa de conversão três vezes maior que o browser mobile. No setor de turismo, a taxa de conversão dos apps é quase duas vezes maior que a do browser mobile. 
 
Os consumidores visualizam três vezes mais produtos no aplicativo do que no browser mobile. No setor de varejo, o valor do pedido por transação no app, browser mobile e desktop é quase o mesmo.  A cada US$ 100 no desktop, são US$ 98 no browser mobile e US$ 95 no app. Já na parte de travel, o mobile é menor porque é mais utilizado para reservas de última hora. Os valores de browser mobile e apps são bem similares nesta área, com US$ 78 e US$ 77 respectivamente. 
 
“Os aplicativos geram resultados surpreendentes. Por isso, está na hora das empresas repensarem seus planos para dispositivos móveis e ficarem atentas ao cross device, pois a assertividade deve ser uma característica básica para os comerciantes online”, explica Fernando Tassinari, diretor geral da Criteo no Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima